A EVOLUÇÃO DAS ERAS DO MARKETING

Ao longo dos anos, o marketing evoluiu muito e passou por Eras até chegar ao que conhecemos hoje em dia. Você sabe quais são?

Hoje o marketing está diretamente relacionado ao digital. Cada vez mais, ninguém deixa de lado as redes sociais e o Google na hora de pensar em comunicação estratégia. Porém obviamente nem sempre tivemos esta realidade. O marketing sempre esteve ligado à gestão, e isso geralmente os gestores atuais esquecem.

O conceito de marketing vai no sentido de compreender o comportamento do consumidor para, a partir disto, propor soluções para o mercado.  A ideia é mostrar para as empresas onde elas podem desenvolver seus produtos, vislumbrando aumentar seus lucros. Podemos dizer que essa é uma definição clássica. No entanto, como falamos, este segmento passa por transformações, em total consonância com as mudanças de comportamento da sociedade.

A partir desta introdução, vamos agora mostrar para você como cada uma dessas fases ainda segue impactando todos os negócios do mercado e como você pode explorar técnicas específicas para alavancar as suas vendas.

Marketing 1.0

Na sua história, a grande era inicial do marketing teve conexão direta ao modelo de gestão implementado por Henry Ford, em 1914. No início, o importante era produzir e oferecer os produtos a todos que quisessem comprá-los. Nessa fase, os produtos eram básicos e a grande inovação estava relacionada aos próprios produtos industrializados. Qualquer carro era superior à carroça, portanto, o foco principal da era conhecida como Marketing 1.0 era o produto.

“Qualquer cliente pode ter o carro da cor que quiser, desde que seja preto”

Henry Ford, se referindo ao revolucionário modelo T.

Há quem diga que esta frase jamais foi dita por ele, mas faz muito sentido na nossa lógica de raciocínio, não?

Ford Modelo T, primeiro carro popular da história, comemora 110 anos de  lançamento | Brazil | Português | Sala de Imprensa da Ford
Henry Ford posa ao lado do Modelo T, em 1921.
Foto: Ford Media Center

Chamado também de Era da Produção, esse período é um reflexo direto da Revolução Industrial e perdurou até meados de 1925. As empresas, que acreditavam no produto como essência, viram suas fábricas lotadas de estoque e precisaram mudar as estratégias de vendas.

Marketing 2.0

A era industrial evoluiu e o produto em si já não tinha mais uma carga de inovação tão relevante quanto aquele momento em que o modelo T, da Ford, apresentava frente à carroça. Com novas marcas e novos carros, o perfil de consumidor evolui a partir de necessidades cotidianas específicas.

Muitos carros eram produzidos para suprir necessidades como infraestrutura logística, passeios em família, trabalhos rurais e até status social. E os atributos desejados pelos consumidores em cada situação destas é bem distinta, recorrendo a opções como caminhões, vans, camionetes e luxuosos.

Belina oferece diferenciais para o consumidor
Em março de 1970 era lançada a Belina, com destaque para o espaço interno amplo para cinco pessoas e porta-malas generoso.

É assim que surge a segmentação de mercado, com o objetivo de delimitar grupos com interesses comuns. A partir desse filtro, a proposta era entender os anseios do cliente e propor soluções personalizadas. Assim, as empresas começam a reduzir concorrência e reduzir gastos extras com publicidade em massa.

Curiosidade: Com o acesso à informação, o consumidor consegue comparar preços, produtos e marcas que melhor satisfaçam suas necessidades. Na era da informação, é criado o termo Público-alvo. Além disso, a expressão “o cliente é rei” dita o ritmo do mercado.

Marketing 3.0

As mudanças do marketing trouxeram uma grande evolução quando o foco das empresas sai do produto e chega no consumidor. E agora isso fica ainda melhor, se conectando de maneira ainda mais profunda com eles.

Esta Era centraliza seus esforços nas aspirações, valores e no espírito humano. O consumidor é visto como um ser humano de verdade, e não apenas um número. Com o objetivo de oferecer soluções para os problemas da sociedade, as empresas que adotam esta mentalidade conseguem levar a experiência do consumidor a um outro patamar, dando uma luz para soluções aos inúmeros problemas globais.⠀

Nessa fase, as empresas se diferenciam por sua missão, visão, valores e como isso contribui para a sociedade. Ou seja, elas não criam estas frases apenas para aparecerem no seu site e marcar no checklist de “ações realizadas”. Elas praticam e impactam o mercado inteiro com uma filosofia clara.

Conhecido essencialmente como Era do Marketing, é neste período que as pessoas ganham poder de voz em sites, blogs e redes sociais, mudando a hierarquia de consumo no mundo.

Marketing 4.0

Antes de entrar no conceito em si, precisamos fazer referência ao verdadeiro guru desta área: Philip Kotler. Todo mundo que estudou um pouquinho sobre comunicação deve ter visto esse nome. Ele não somente é um professor, consultor e profissional muito respeitado, como o cara que definiu estas eras de forma muito didática.

“O Marketing 4.0 trata da revolução digital. As empresas continuarão a fazer marketing tradicional, centrado na TV e na mídia impressa, mas o marketing digital (mídias sociais, mobile e internet) aumentará. As empresas precisam saber como misturar e conectar seu marketing tradicional e seu marketing digital”

Philip Kotler.

De acordo com Kotler, a expressão marketing 4.0 se aplica a esta nova etapa em que o grande desafio das marcas é saber envolver um público cada vez mais sem tempo e impactado por inúmeros estímulos. E precisamos ter noção da importância de entender muito bem cada nicho que vamos considerar na hora de trabalhar com marcas e consumidores.

Era do marketing 4.0
Consumidores e empresas precisam estar cada vez mais alinhados às mudanças tecnológicas.


A cada etapa, é possível perceber que o marketing avança em busca de novidades, adapta-se constantemente ao comportamento do consumidor e adere naturalmente a novas ferramentas tecnológicas e mudanças na sociedade.

Para profissionais do setor e empresários que precisam lidar com o marketing diariamente, há que se lidar com o desafio de sair da zona de conforto e assumir riscos, pois esse momento exige uma dedicação ainda maior na busca por novos rumos e novas experiências. E o seu consumidor tem que estar caminhando na mesma direção 😉

RESUMO
  • A grande era inicial do marketing teve conexão direta ao modelo de gestão implementado por Henry Ford, em 1914. No início, o importante era produzir e oferecer os produtos a todos que quisessem comprá-lo, e o Marketing 1.0 focava no produto.
  • A era industrial evoluiu e o produto em si não tinha mais uma carga de inovação tão relevante com ofertas mais amplas, então a era conhecida como Marketing 2.0 passava a valorizar o consumidor.
  • Com o passar dos anos e com o objetivo de oferecer soluções para os problemas da sociedade, as empresas adotam uma mentalidade mais humana e seus esforços estão nas suas aspirações e valores conectados ao coração do consumidor. Esse é o ritmo do Marketing 3.0.
  • E neste ritmo, chegamos a uma fase que nenhuma empresa está desconectada (de fato!). O marketing 4.0 aplica-se a esta nova etapa em que o grande desafio das marcas é saber envolver um público cada vez mais sem tempo e impactado por inúmeros estímulos através dos canais digitais, ou seja, a revolução digital.

Gostou do nosso conteúdo? Se você acha que isso tudo faz sentido para o seu negócio e quer saber um pouco mais sobre como colocar em prática, estamos aqui! Feedbacks são ótimos e a gente adoraria colaborar ainda mais com você. Escreva para o Fernando Potrick, nosso head de conteúdo: potrick@gama.etc.br.

VOCÊ SABE COMO USAR AS HASHTAGS?

Elas já são conhecidas de quase todo mundo, mas você pode dizer que sabe como explorar as hashtags no gerenciamento da sua empresa nas redes sociais?

Já faz um tempinho que as hashtags estão entre nós. Mais recentemente, no entanto, elas ganharam uma importância ainda maior, pois passaram a facilitar bastante a “vida digital” de empresas, empresários e influenciadores. Com o aumento constante do uso das redes sociais, a presença das hashtags está se tornando cada vez mais recorrente.

Quase todos que utilizam redes sociais, seja para produzir conteúdo ou para consumi-lo, já viram e até mesmo chegaram a utilizar essa técnica, porém não entendem a sua função principal.

Neste post, vamos explicar direitinho o que são hashtags, para que servem e como utilizá-las. Mesmo que você já tenha uma ideia do significado, hashtags podem ser muito mais do que você imagina.

Hashtag: o que é?

Hashtag é um termo composto por uma ou mais palavras agrupadas, precedido pelo símbolo cerquilha (#), o famoso “jogo da velha”. Em inglês, tags significam etiquetas e referem-se a palavras relevantes, que associadas ao símbolo # se tornam hashtags.

A ideia surgiu em agosto de 2007, por meio do designer Chris Messina, como forma de agrupamento de mensagens que permite buscar por conteúdo com tema específico em redes sociais. Naquela época, amplamente difundida graças ao Twitter.

Por conta da utilização massiva e incorporação ao cotidiano das pessoas, o termo hashtag foi adicionado ao dicionário da língua inglesa Oxford em junho de 2014.

É importante lembrar que o símbolo # não se chama hashtag, como muitas pessoas costumam nomear de forma errada.

Cliques

No meio digital, ao adicionar o símbolo # no início de qualquer palavra, ela se torna uma hashtag e passa a ser clicável. Nas redes sociais, é esse mecanismo que permite que diversas postagens, comentários, legendas, fotos, vídeos, de diferentes contas e perfis, sejam agrupadas e visualizadas.

No twitter, de onde viraram febre, as hashtags formam aparecem entre os trending topics, temas com mais ocorrências na plataforma.

Hashtags aparecem entre os termos mais comentados do twitter
Ao iniciar uma busca, na seção “# Explorar”, algumas hashtags já aparecem entre os termos mais comentados.

Palavras-chave

Ao se tornar clicável, a hashtag funciona como uma palavra-chave, funcionalidade fundamental no mecanismo de pesquisa do Google. Seja de forma orgânica ou paga, as pesquisas do Google estão baseadas nas palavras-chave (entenda mais sobre esse assunto AQUI). Nas redes sociais, a ideia é bem semelhante: segmentar termos que possam ser buscados e encontrados de forma mais simplificada.

Como e quando utilizar hashtags

Como falamos, hashtags são termos transformados em links. Então, ao clicar nesse link, você será direcionado para o ambiente onde estejam outras postagens em que as pessoas que também tenham utilizado aquela hashtag específica. Assim que você seleciona uma palavra-chave para um conteúdo, este post é automaticamente adicionado ao grupo de pesquisa daquele tópico.

Isto ajuda o social media da marca, que estará direcionando seu conteúdo para uma comunidade ou um nicho onde haverá outros conteúdos relacionados ao tema. E para o usuário em geral, esta é uma maneira muito prática de agrupar diversos conteúdos sobre um determinado tema, facilitando a pesquisa sobre o tópico desejado.

Um exemplo claro para você entender claramente: o assunto deste artigo é HASHTAG, obviamente. Logo, assim que eu compartilhar este texto no Instagram da Gama eu vou incluir na minha legenda os termos #hashtags e #blog. Assim, meu post fará parte de um grupo onde estarão outros conteúdos relacionados aos temas.

hashtags: #hashtags #blog
Aí estão, as seções onde se agrupam as hashtags #hashtags e #blog

Como funcionam as hashtags em cada rede social

Já sabemos que cada rede social tem um determinado comportamento quando falamos da atuação dos usuários. Nesse caso, são diversos os fatores que influenciam para que uma rede social tenha funcionalidades que outra não tem, e vice-versa. Com o uso de hashtags, não é diferente

São várias as redes sociais que permitem uso de hashtags e que as exploram, mas o comportamento dos usuários é bem diferente e singular em cada uma delas. Até por isso, uma hashtag que faça sucesso no Twitter, pode não performar tão bem no Instagram, por exemplo. Conheça as principais redes:

Twitter

Berço das hashtags, o Twitter praticamente ensinou o mundo digital a utilizar as hashtags. Porém, com a limitação de caracteres (já foi 140 e agora é 280) as pessoas costumam utilizar apenas uma ou duas hashtags em seus posts, justamente por ser uma plataforma de microblogging.

Devido ao comportamento imediatista da plataforma e dos usuários, hashtags surgem tão rapidamente quanto somem. Às vezes, alguns termos duram dias, vão para o topo dos trending topics, e depois caem no esquecimento.

Instagram

Qualquer usuário pode utilizar hashtags em seus posts, comentários, Biografias e stories. Porém, ela só terá efeito prático se sua conta for pública. Se não, somente seus seguidores poderão visualizar e clicar sobre as hashtags.

Um dos diferenciais do Instagram em relação a outras plataformas é a sugestão de hashtags. Ao inserir o símbolo # e começar a digitar, automaticamente o Instagram começa a sugerir hashtags baseado na popularidade.

Facebook

No Facebook, é ainda mais fácil buscar pelos resultados usando uma hashtag específica. Depois que você publica uma postagem, a hashtag utilizada aciona automaticamente um link para a página que reúne estes resultados. Sendo assim, é só clicar no seu próprio post para encontrar o que outras pessoas estão postando com aquela hashtag.

Mesmo apresentando funcionalidades interessantes para as hashtags, o Facebook é uma plataforma onde os usuários não têm o comportamento geral de utilizar e explorar essa técnica.

5 dicas básicas para utilização das hashtags

Não tem receita de bolo para transformar as hashtags em máquinas de venda. No entanto, existem algumas práticas que o mercado já nos deu a resposta de que dão certo. Confira abaixo algumas dessas dicas.

1- Confira a ortografia

Mesmo que algumas hashtags não sejam palavras que existam de verdade, elas devem ser escritas corretamente. Um simples errinho de ortografia, ou mesmo de digitação, por definir o fracasso do uso da sua hashtag.

  • Exemplo 2: No caso de palavras que “não existem” ou frases ditas popularmente com erros de concordância, tome cuidado para escrever na mesma grafia que a hashtag original. Uma frase que se popularizou no Rio Grande do Sul, por exemplo, foi “é os guri”. Naturalmente, acabou virando hashtag. Porém, mesmo escrita e dita de forma errada, existe uma hashtag que é mais utilizada explorada que outras.

hashtags com erros de digitação
Note a diferença na quantidade de publicações entre a hashtag original e a hashtag digitada errada.
  • Exemplo 3: Tome muito cuidado com hashtags com termos em outra língua. Em 2018, um fato bizarro causou furor nas redes sociais. Uma das hashtags mais utilizadas pelos brasileiros acabou sendo mal compreendida fora do país. Provavelmente você já a utilizou ou pelo menos já viu uma postagem com a hashtag #sextou, certou? Este é um termo brasileiro criado pra indicar o comportamento de se livrar dos problemas da semana, já que é sexta-feira. No entanto, fora do país essa hashtag passou a ter outro significado. Quando desmembrada, sextou virou “sex to u”, que numa tradução livre seria “sexo para você”. Ou seja, os gringos começaram a utilizar essa hashtag para compartilhar conteúdos pornográficos nas redes sociais, em especial no Instagram.

2- Evite hashtags longas, com muitas palavras

Quanto mais palavras forem agrupadas para formar uma hashtag, menor será seu alcance. Ao invés de criar algo como #SuaOpiniãoSobreOGovernadordoSeuEstado, vale mais a pena desmembrar e potencializar o uso de mais de uma hashtag, como #opinião + #GovernoEstadual.

3- Não transforme todas palavras em hashtags

Seguindo no mesmo exemplo anterior, neste caso é quase o oposto. Não fará sentido transformar cada palavra de uma frase em uma hashtag única, poluindo seu post ou comentário, e sem efeito prático em hashtags como #Sua, #Sobre e #Seu.

4- Use hashtags relacionadas ao tema

Esta é a última e principal dica. O mais indicado parar incorporar hashtags ao seu post é compreender quais são as principais opções relacionadas ao tema da sua postagem. Perceba que os usuários e seu potencial público-alvo acessarão esse conteúdo através de hashtags e também acionando as hashtags.

Porém, não é tão simples identificar quais hashtags são relevantes e identificam de fato o assunto da sua postagem. Por isso, utilize muita pesquisa prévia para aferir quais hashtags são importantes para seu perfil, de forma geral, e também para cada postagem que será feita.

5- Extra: Ferramentas para escolher e monitorar hashtags

Dá só uma olhada em como você pode fazer para procurar esses termos e usar as melhores hashtags:

  • Instagram: dentro do próprio app do Instagram, você consegue buscar e monitorar hashtags relevantes. Acesse outros posts e perfis semelhantes aos seus (para saber mais sobre Benchmarking, clique AQUI) e identifique hashtags mais utilizadas. Além disso, nas buscas e até mesmo ao digitar um termo precedido do símbolo #, você consegue identificar os termos mais populares.
  • Ingramer: este site oferece diversas ferramentas que podem ser utilizadas para qualificar seu Instagram. Uma delas é o “Hashtag Generator”, termo em inglês (sim, o site é todo nesta língua) para gerar hashtags referentes aos teus termos. Ah, nas ocorrências você poderá encontrar hahstags em várias línguas.
  • Keyword Tool: pode ser utilizado tanto para palavras-chave quanto para hashtags, esse site tem funcionalidades que se aplicam a muitas plataformas, como Google, Youtube, Amazon, entre outros. Você pode selecionar a linguagem do termo que será buscado e digitá-lo, conferindo uma lista com hashtags ou perfis com mais ocorrências.
  • Leetags: o sistema de buscas é parecido com outros. Porém, no Leetags você tem a opção de buscar hashtags por categorias, afunilando ainda mais a segmentação e encontrando opções dentro do seu segmento de atuação.
#explore
RESUMO

As hashtags ainda podem ser um mistério para alguns, mas existem cada vez mais ferramentas para qualificar seu uso. Dedique um pouco dos seus recursos (tempo, pessoas e dinheiro) para estudar as principais hashtags relacionadas ao seu produto ou serviço, aumentando a relevância das suas postagens e do seu perfil. Certamente, a consequência será positiva e você poderá divulgar melhor o seu negócio.


Gostou do nosso conteúdo? Se você acha que isso tudo faz sentido para o seu negócio e quer saber um pouco mais sobre como colocar em prática, estamos aqui! Feedbacks são ótimos e a gente adoraria colaborar ainda mais com você. Escreva para o Fernando Potrick, nosso head de conteúdo: potrick@gama.etc.br.

BENCHMARKING: ANALISE SEUS CONCORRENTES

A análise de concorrentes é um dos mecanismos fundamentais para parametrizar o crescimento da sua empresa, utilizando técnicas de Benchmarking. Mas como fazer isso da melhor forma? É o que veremos neste post.

Todo empresário busca o crescimento da sua empresa. Se esse não é o seu caso, nem precisa continuar lendo esse texto. Isso mesmo, entenda que vislumbrar seu estabelecimento crescendo é fundamental para abrir seu negócio e prosperar.

Naturalmente, quando iniciamos uma empreitada é comum mirarmos exemplos, espelhos ou mesmos inspirações para se definir os primeiros objetivos. Quando iniciamos uma carreira, temos aquele profissional que admiramos e tomamos como guia para o sucesso. Por isso mesmo, no mundo dos negócios não é diferente.

Nesse caso, empresas de sucesso são, sim, referências para muitas outras. Ao longo da caminhada de uma empresa ou de um empreendedor, é fundamental estabelecer parâmetros para trilhar seu próprio crescimento.

Não se trata de cópia. Não. Acontece que é através do benchmarking que o empreendedor pode analisar o mercado e tomar as melhores decisões na condução dos seus negócios. Então, vamos começar pelo conceito inicial.

O que é Benchmarking?

Em uma tradução livre, benchmarking pode significar ‘ponto de referência’. Trata-se de um processo minucioso de pesquisa, naturalmente entre empresas do mesmo setor. Dentro deste processo, analisa-se a concorrência para aferir o desempenho de produtos, processos, serviços, vendas, entre outros indicadores. Em alguns casos, nem precisa ser do mesmo segmento de atuação, basta que que o parâmetro seja interessante para metrificar a abordagem da empresa analisada.

Alguns pontos interessantes nestes parâmetros são análise, interpretação, avaliação e mensuração das informações coletadas. Por isso, para se compreender o mercado, é fundamental que se analise os dados coletados com embasamento. Mais que isso, saber em quais pontos estas informações podem – e devem – auxiliar no processo de crescimento da sua empresa.

Conheça os tipos de Benchmarking

  • Benchmarking de cooperação: quando duas empresas estabelecem uma parceria, compartilhando informações de seus processos. Ou seja, trocar experiências. Também pode ocorrer entre uma empresa “mãe”, que abre suas portas para demonstrar alguns processos a outra. Um grande benefício é quando empresas trocam informações sobre diferentes setores que funcionam bem;
  • Benchmarking competitivo: foco total na análise das práticas da concorrência, visando a superar outros empreendedores. É a análise de concorrência mais difícil de ser realizada, tendo em vista que estas informações não são tão facilmente acessadas;
  • Benchmarking genérico: Já o benchmarking genérico é aplicável quando há processos semelhantes, ainda que não disputem mercado. Em alguns casos, inclusive, nem criam o mesmo produto. No entanto, a comparação é válida para encontrar pontos de melhoria;
  • Benchmarking funcional: nesse caso, o que é comparado é o processo de trabalho entre as organizações, ainda que a comparação esteja sendo feita com organizações de segmentos diferentes;
  • Benchmarking interno: busca pelas melhores práticas adotadas dentro da própria empresa, seja qual for seu porte. Pode-se comparar filiais, ou mesmo diferentes departamentos que desenvolvem metodologias processuais;

Prós e contras

Mesmo com tantos pontos favoráveis que já listamos por aqui, não tem só coisa boa no benchmarking. Confere essa tabelinha:

VANTAGENSDESVANTAGENS
Qualificação do autoconhecimento, aprimoramento de processos e práticas empresariaisProcessos que funcionam em outras empresas, mas não se adaptam ao seu negócio
Potencializa os Objetivos SMART, já que se tem informações de empresas que os alcançaramAlcance limitado para aplicação de benchmarking interno
Conhecimento de mercado, analisando os grandes players do segmentoAdotar processos de empresas concorrentes e perder – ou não encontrar – sua própria identidade
Busca constante por redução de custos, produtividade e maior margem de lucroGastos excessivos – de tempo e recursos – em concorrentes

Cases de sucesso

Ao longo dos anos, diversas técnicas de Benchmarking foram desenvolvidas. Inclusive atualmente, nas redes sociais, o Benchmarkig Digital cresce cada dia mais. Para você se inspirar, vamos trazer alguns exemplos de como empresas cresceram ao analisar seus concorrentes.

Xerox

Caso emblemático, o Benchmarking da fabricante norte-americana é pioneiro. E muito – muito mesmo – agressivo. Sinônimo de fotocópia, no final dos anos 70 a empresa colocava seus engenheiros para desmontar produtos de empresas concorrentes, principalmente as japonesas Nashua e Canon. A ideia era compreender como elas conseguiam vender suas máquinas a preços bem mais baixos do que os seus.

Xerox: exemplo de Benchmarking
Primeira máquina laser da Xerox.

Coca-Cola

Agora você deve estar pensando: mas uma empresa como a Coca precisa disso para combater a Pepsi? A resposta é NÃO! A Coca-Cola não aplicou essa técnica para analisar seus concorrentes diretos dentro do mercado. Lembra quando citamos que às vezes o benchmarking é feito de forma indireta? Este é o caso!

Coca Cola: exemplo de Benchmarking

A gigante mundial, de fato, não tem concorrentes no ramo dos refrigerantes. Pois na verdade a concorrência está em produtos que solucionam os mesmos problemas que os refris: refrescância e energia. Assim, foi necessário analisar fabricantes de café e picolés/sorvetes. Portanto, olhos também nos periféricos!

RESUMO

Não pense que Benchmarking é cópia. Nem se sinta culpado por olhar para “a grama do vizinho”. Benchmarking é encontrar os pontos mais fortes dos melhores do seu mercado e focar em atingi-los e superá-los. Enxergue as falhas de seus rivais e compreenda os motivos, aprendendo com os erros dos outros.


Gostou do nosso conteúdo? Se você acha que isso tudo faz sentido para o seu negócio e quer saber um pouco mais sobre como colocar em prática, estamos aqui! Feedbacks são ótimos e a gente adoraria colaborar ainda mais com você. Escreva para o Fernando Potrick, nosso head de conteúdo: potrick@gama.etc.br.

8 AÇÕES PARA EXPLORAR O INSTAGRAM STORIES DA SUA EMPRESA

Uma das técnicas mais inovadoras dentre as estratégias de Marketing Digital, o Instagram Stories está cada vez melhor e pode ajudar – e muito – a sua empresa a fortalecer sua presença online.

Que o Facebook é hoje a maior empresa no segmento das redes sociais, a gente já sabe. Em franco crescimento há anos e sempre trazendo novidades e incorporando novas empresas, é o Face que comanda o Instagram e o Whatsapp, entre outros. Sempre de olho no que vira tendência, a plataforma tem incorporado novas ferramentas de sucesso nos últimos anos.

Um dos maiores insights do Facebook foi implementar os stories no Instagram. Criada em 2016, essa funcionalidade revolucionou a forma como os usuários utilizam a plataforma. Isto porque a ideia de postar uma imagem ou vídeo que durasse um tempo determinado já vinha tendo muito sucesso no Snapchat. No app de conversas, os usuários enviavam mídias que se destruíam em instantes.

Como funciona o Instagram stories?

Na teoria, o story é simplesmente uma postagem de foto ou vídeo, que fica no ar 24h após ser compartilhada pelo usuário. Na prática, porém, essa postagem é muito mais que isso. São tantos os recursos adicionados e aperfeiçoados pelo app, que em muitos casos é muito mais atrativo acompanhar os stories do que o feed de determinados perfis.

Ao ser incorporada ao Instagram, essa funcionalidade fez sucesso imediato. Ao longo dos últimos quatro anos, a ferramenta foi ganhando novos recursos e ganhou o gosto de todos. Mas você conhece todas as opções que ela oferece? E mais: sabe como utilizá-la de forma a obter o melhor dela para sua empresa? Pois é disso que vamos falar nesse post!

Como usar o Instagram stories nas estratégias de Marketing Digital?

Explorar as redes sociais é fundamental para uma boa estratégia de marketing digital. É sabido que um bom aproveitamento desses recursos, como o Instagram Stories, pode significar a conquista de novos clientes e um passo à frente em relação à concorrência.

Porém, não adianta sair postando um story no Instagram e achar que isso bastará para que sua empresa seja vista com bons olhos pelos clientes. É preciso ter um planejamento inicial (para saber mais sobre Planejamento de Marketing, acesse AQUI) para definir como – e se – esse recurso será utilizado.

Para conseguir extrair o melhor do Instagram stories, vamos te dar 8 dicas que podem ser aplicadas a empresas de qualquer segmento de atuação. Anote as que mais fazem sentido para a sua, e mão à obra 😉

Crie promoções exclusivas

Por mais que você tenha seu feed já mostrando produtos, ofertas, serviços etc. Essa é uma das estratégias que mais atraem a atenção dos usuários, pois oferece uma recompensa. Por isso, invista em ações promocionais criativas, como vouchers de desconto por tempo determinado, por exemplo. Como os stories também têm tempo determinado, você ativa o gatilho mental de escassez e instiga seu seguidor a se tornar um potencial cliente.

Quer saber mais sobre os gatilhos mentais? Confere no nosso post:

Mostre os bastidores da sua empresa

Nem todas as redes sociais oferecem opções interessantes para que você mostre como é o seu negócio no dia a dia. Muito menos o seu site terá essa função. Portanto, use e abuse do Instagram stories para esse fim.

Uma das peças-chave das suas estratégias de atração de clientes é estabelecer uma proximidade com seus potenciais consumidores. Essa etapa inicial da Jornada de Compra é fundamental e, com boas postagens no Instagram Stories, você poderá pular na frente da sua concorrência.

Aproveite para mostrar a rotina de sua empresa, os bastidores, os colaboradores, e tudo o mais que possa ser interessante para criar relacionamento.

Explore as ferramentas de edição

Cada vez mais o Instagram investe em novos recursos para qualificar o stories. Assim, consegue manter o usuário o máximo de tempo possível utilizando o app. Atualmente, existem várias possibilidades de edição de imagens e vídeos.

  • Fontes: há poucos meses, o Instagram atualizou seu pacote de fontes, que já era bem interessante. Agora são vários formatos de escrita, com diversos modelos e tamanhos, alguns até com planos de fundo integrados.
  • Filtros: desde o seu lançamento, o Instagram Stories oferece a opção de selecionar dentre vários filtros de cores para a mídia. Além disso, inúmeros efeitos – criados por usuários desenvolvedores – podem ser incorporados ao seu post.
  • Gifs: esses são os diferenciais do story. Sabendo buscar (alguns itens são melhores encontrados se buscados pelo termo em inglês) e escolher, os gifs animados vão colocar seu story em outro patamar!
Instagram Stories: exemplos da Gama
Exemplos retirados dos stories da Gama: Fontes diferentes, gifs, stockers, menções, bastidores… tem de tudo!

Use stickers para interação

Eles são muitos, e devem ser utilizados para estabelecer boas relações com os usuários. Algumas opções:

  • Pedido de refeição: se o seu estabelecimento entrega refeição, esse sticker já leva direto para um parceiro de delivery, como Aiqfome, Goomer Go, iFood, Rappi e Uber Eats.
  • Apoie as pequenas empresas: figurinha recente, que permite ao autor do poste mencionar um perfil de outra empresa parceira.
  • Enquete: figurinha muito conhecida e utilizada, onde o usuário faz uma pergunta e oferece duas opções de resposta.
  • Perguntas: uma das principais ferramentas de interação com seu público, a caixinha de perguntas abre possibilidades enormes para buscar mais informações do seu público-alvo e entender quais temas ele curte.
  • Teste: opção interessante para promover um quiz e instigar a participação dos seguidores.
Stickers no Instagram Stories
Stickers no Instagram Stories.

Nunca esqueça das CTAs

O termo CTA é uma sigla de “Call To Action”, que em português seria uma “chamada para ação”. Não importa se o seu perfil está apto a inserir links no story (perfis verificados ou com mais de 10 mil seguidores), as CTAs são fundamentais, pois você precisa deixar clara uma direção para os seus seguidores seguirem.

Por isso mesmo, deixamos um dos stickers da dica anterior para mostrar agora: Manda uma DM. Agora, você pode adicionar essa figurinha para incentivar o usuário a conversar com você por mensagem direta, ao invés de ficar torcendo para que ele utilize o campo “Enviar mensagem”.

Amplie os posts de produtos e serviços

O seu perfil é a sua vitrine digital. Seja para produtos ou serviços, o feed acaba sendo a opção escolhida para postar mais informações, certo? Pois bem, não precisa trocar pelo story, basta usar as duas funcionalidades de forma complementar. No Stories, você poderá ampliar a exposição dos produtos e serviços, com imagens mais trabalhadas, carrossel com vários produtos e vídeos explicativos.

“Ah mas não vale a pena, pois as postagens terminam em 24 horas”

Aí que você se engana! Muitas vezes o alcance é ainda maior no story em relação ao feed. E mais, essas postagens no story poderão ser utilizadas posteriormente nos destaques.

Pense nos destaques

Falando neles, aí está mais uma dica boa! Os destaques servem para que você possa perpetuar alguns stories. Ao criar um destaque específico, você poderá centralizar todos stories postados anteriormente.

É uma ótima oportunidade ampliar a exposição de um conteúdo chave de sua estratégia e garantir visibilidade para qualquer conteúdo que achar relevante. É fundamental em lojas que trabalham com peças de coleção, empresas que possuam serviços específicos, entre outras funções.

Destaques do Instagram Stories
Os destaques serão a vitrine do seu perfil.

Pense nos destaques como uma seção de um site onde você tem a oportunidade de apresentar seus produtos e serviços.

Invista em publicidade

Talvez você não saiba, mas é possível fazer anúncios que sejam veiculados somente no Instagram Stories. Com certeza, você mesmo já deve ter visto algum anúncio enquanto passeava pelos stories dos perfis que você segue. Então, você também consegue!

Além de ampliar a visualização da sua marca, os anúncios potencializam as possibilidades de conversão para suas postagens. Veja como fazer:

  • Impulsionamento direto: Crie anúncios a partir de um story que você já tenha postado. A primeira ação é abrir o seu story e tocar em “…mais” no canto inferior direito. A partir daí, basta tocar em promover e seguir os passos até finalizar o anúncio. Importante: story com itens clicáveis não são aceitos.
  • Campanha de anúncio: Outra opção é realizar uma campanha no Gerenciador de anúncios. Neste caso, é necessário escolher um dos três objetivos permitidos (Alcance, Visualizações no Vídeo ou Conversão) e também definir nos posicionamentos SOMENTE os stories do Instagram.


RESUMO
  • O Instagram Stories é uma das técnicas mais inovadoras entre as estratégias de Marketing Digital;
  • Desde 2016, a ferramenta vem se aprimorando e gerando impacto nos relacionamentos entre cliente e empresa no Instagram;
  • Aproveite o momento e adapte sua estratégia digital considerando a atuação no Instagram Stories;
  • Avalie todas possibilidades e escolha o que fará mais sentido para o seu negócio;

Gostou do nosso conteúdo? Se você acha que isso tudo faz sentido para o seu negócio e quer saber um pouco mais sobre como colocar em prática, estamos aqui! Feedbacks são ótimos e a gente adoraria colaborar ainda mais com você. Escreva para o Fernando Potrick, nosso head de conteúdo: potrick@gama.etc.br.

6 ESTRATÉGIAS DE MARKETING DIGITAL NO LINKEDIN

Maior rede social de negócios do mundo, o Linkedin oferece diversas opções de estratégias de Marketing Digital que devem ser levadas em conta ao explorar tudo que essa plataforma oferece. Ainda não faz parte dessa rede? Então bora saber como fazer!

É simples: quando você identifica onde seu potencial cliente está, é para lá que você deve ir. Essa máxima vale tanto para lojas físicas quanto para o mundo digital. Cada vez mais, as marcas investem em presença online e têm obtido retornos excelentes. Mas, claro, tudo deve ser feito com o devido planejamento e com o cuidado para não “meter os pés pelas mãos”.

Perfil pessoal ou conta empresarial? Como descubro se meu público está no Linkedin? É igual ao Facebook e o Instagram? Essas e outras diversas perguntas surgem aos montes nos contatos que temos com possíveis clientes e nos atendimentos dentro dos Workshops que a Gama ministra. E é sobre tudo isso que a gente vai falar agora!

O que é o Linkedin?

Para começar, vamos te explicar desde o começo. Provavelmente você nem saiba, mas o Linkedin surgiu em 2003. Isso mesmo, há 17 anos, amigos perceberam que ainda não existia um ambiente online focado em relacionamentos voltados para o mercado de trabalho. A partir de então, convidaram 300 participantes para o teste e fundaram o LinkedIn.

Mesmo demorando para emplacar aqui no Brasil, o Linkedin se consolidou mundialmente há bastante tempo e tem crescido na preferência das empresas por aqui. Há diversas opções de uso e principalmente de estratégias de Marketing Digital para Linkedin. Prova disso é o relatório Social Media Trends, estudo da Rock Content que mostra o aumento dos números desta plataforma.

Marketing Digital: destaque para o Linkedin na Evolução da presença das empresas nas redes sociais
Crescimento do Linkedin é alto entre 2017 e 2019. A tendência é de sequência desse aumento em 2020.

A rede surgiu para ajudar profissionais ao redor do mundo a compartilhar informações sobre suas carreiras e, assim, tentar se inserir no mercado, seja se apresentando para novos empregos ou mesmo ampliando a presença digital da sua empresa. Atualmente, conta com mais de 550 milhões de usuários ativos.

Uma das provas do sucesso do Linkedin na área corporativa é a plataforma de vagas, chamada LinkedIn Job Search, que é uma das principais formas de contratação de muitas empresas.

Quais são as ferramentas oferecidas no Linkedin?

Bom, se você ainda não conheceu o Linkedin, ao abrir a plataforma você vera um layout e encontrará funcionalidades muito parecidas com outras plataformas, principalmente como o Facebook. Para iniciar, você escolherá uma foto, definirá nome e a descrição da página, colocará sua localização, sites e/ou outras redes sociais.

Uma diferença muito importante na rede é a existência de perfis pessoais e Company Pages (que seriam as Fanpages do Facebook). No caso de empresas, indicamos seguir a segunda opção. As Company Pages contam com uma série de informações e relatórios estratégicos entregues pelo próprio LinkedIn sem custo algum. Com eles, será possível analisar pontos positivos ou questões a serem melhoradas na gestão da página.

Perfil pessoal no Linkedin

Se você não é dono de um negócio ou não gerencia uma empresa, seu uso do Linkedin será limitado a relacionamentos profissionais com outras pessoas interessados nos mesmos assuntos, além de busca de emprego ou intercâmbio de conteúdo. E, além disso, se você tem um negócio é importante que seu perfil pessoal seja bem interessante, afinal você é a sua empresa. Então, lá vão algumas dicas rápidas para você criar um perfil pessoal atraente:

  • Prefira mostrar o que você sabe, ao invés de somente escrever (a não ser que sua expertise seja a escrita 😊)
  • Peça recomendações de amigos, conhecidos e parceiros comerciais que tenham relacionamento com seu segmento de atuação.
  • Otimize as palavras e elimine as dispensáveis. Foque em causar boa impressão logo de cara, evitando as palavras mais usadas para descrever a si mesmo, como criativa, organizacional ou eficiente.

“Se você está usando as mesmas palavras que todos os usuários do LinkedIn, está se misturando. As buzzwords (palavra ou frase de efeito para impressionar) são realmente apenas palavras vazias. Ninguém está prestando atenção de verdade nelas”

Nicole Williams, diretora de conexão do LinkedIn.

Company Pages no Linkedin

A criação de uma página de empresa é bem semelhante à criação pelo Facebook. Porém, no Linkedin há informações bem mais detalhadas. Logo no início do processo de criação, você poderá informar tamanho/proposta da empresa. As opções são:

  • Pequena Empresa: menos de 200 funcionários
  • Média a grande empresa: mais de 200 funcionários
  • Showcase page: associada a uma Company Page existente
  • Instituição de ensino: escolas, faculdades, universidades.

Depois disso, lembre-se de informar o máximo de dados referentes ao seu negócio. Quanto mais detalhado, maior a chance da sua empresa ser encontrada nas buscas. Página criada, comece a explorá-la!

Conceitos básicos deverão ser levados em conta para utilizar a rede. Assim como as outras redes sociais, você deve ter uma frequência de postagens, explorar os conteúdos relevantes e, principalmente, interagir com seus seguidores.

Como obter resultado com estratégias de Marketing Digital no Linkedin

Agora que você já sabe como dar o primeiro passo para estar no Linkedin, é a hora de planejar e executar as estratégias de Marketing Digital. Sim, como sempre falamos, o primeiro passo é sempre o planejamento. Se quiser saber como estruturar, confira o nosso post completo:

Assim como em outras redes sociais, os conteúdos relevantes têm um desempenho muito interessante no Linkedin. A diferença é como você posiciona estes conteúdos e a quem você está promovendo-os. Dando check nos primeiros pontos do planejamento – público-alvo definido, objetivos SMART estabelecidos e orçamento alocado – você poderá então colocar em prática as melhores estratégias de Marketing Digital no Linkedin.

Papel e caneta em mãos? Ou melhor, notebook em mãos?! Ok, então vamos à nossa lista com 6 estratégias de Marketing Digital no Linkedin.

1- Demonstre seu conhecimento e autoridade

No LinkedIn, conteúdos gerados por outras pessoas tendem a ser melhor recebidos. Por isso, é importante focar na distribuição de publicações por meio de perfis, em contas individuais. O público gosta de conferir compartilhamento de experiências, ideias e perguntas.

Assim, encoraje os seus colaboradores a publicarem artigos sobre temas relacionados à sua marca, compartilharem links do seu site e fazerem parte da sua estratégia de marketing. Quanto mais pessoas falarem bem sobre a sua empresa, produtos ou serviços, melhor será para construir uma boa imagem.

2- Conteúdos geram relacionamentos de qualidade

Essa dica é muito relacionada a outras redes sociais. Quando as pessoas percebem que uma marca tem autoridade sobre determinado assunto, a aproximação é natural, pois potencializará esse conhecimento. Por isso, cada conteúdo deve ser planejado e conduzido para isso.

O compartilhamento de conhecimento é valioso, pois atrai interesse, gera engajamento e demonstra que você, de fato, entende daquilo. Essa troca é fundamental, pois vai tornar o relacionamento com seu potencial cliente muito mais natural.

3- Use as palavras-chave certas

Aqui destacamos uma estratégia que difere de outras redes sociais, principalmente do Instagram. Para encontrar as principais palavras-chave do seu segmento de mercado, aplique as técnicas SEO (confira AQUI como fazer) assim como faria em estratégias do Google. Pesquise quais termos estão em alta no Linkedin e use esses dados para criar seus conteúdos.

Priorize os termos com mais ocorrências e menos concorrências. Para te ajudar, indicamos algumas ferramentas:

  • Keyword Tool: pesquise Keywords em diversas plataformas e encontre as mais utilizadas;
  • Google Keyword Planner: o planejador de palavras-chave do Google vai te entregar boas soluções na obtenção de termos pesquisados;

4- Linkedin Ads

Este é um dos grandes diferenciais do Linkedin em relação a outras plataformas de anúncio. O visual e a forma de anunciar é muito semelhante ao que o mercado já está acostumado com Facebook Ads. Porém, a segmentação é muito mais precisa e pode entregar resultados muito bons.

O ponto negativo é o valor, pois o custo de anúncio mínimo ainda é alto, o que impede que sejam feitos muitos testes. Porém, acredite, o retorno é certeiro se você souber criar bem o seu público. Seu anúncio será entregue para quem realmente tem interesse nele!

Nas campanhas de Linkedin Ads, você pula etapas que são fundamentais na Jornada de Compra em outras plataformas digitais. Os leads são mais qualificados, pois seus anúncios são direcionados para o fundo do funil.

5- Crie showcase pages

Além da sua página de empresa, o Linkedin oferece uma opção muito interessante como estratégia de Marketing Digital. As showcase pages são estilos de vitrines para conteúdos diversos, onde você pode apresentar produtos e serviços de uma forma diferente.

Para quem tem mais de uma linha de produtos, diferentes submarcas ou até mesmo serviços específicos, essa é uma maneira para segmentar melhor o que sua empresa oferece. Mais que isso, para o público é uma grande vantagem poder seguir apenas os conteúdos que o interessam.

Linkedin: exemplo de showcase page
Showcase page Vivo Empresas, uma das opções de página afiliada ao perfil principal da Vivo.

6- DICA EXTRA | Ebook gratuito

Deixamos por último uma dica muito legal, que engloba todas as outras e ainda trará novas soluções para a sua atuação no Linkedin. Pensando na qualificação dos usuários da sua plataforma, o Linkedin oferece um ebook gratuito:

“Um guia estratégico com entrevistas e dicas de líderes de marketing combinadas com insights especializados da nossa equipe de Soluções de Marketing do LinkedIn sobre como anunciar para quem importa”

Linkedin

Para fazer o download, não precisa nem ter conta criada na plataforma, basta clicar AQUI, preencher o cadastro e baixar!


RESUMO
  • Linkedin é a maior rede social de negócios do mundo;
  • Explore a plataforma e descubra todas as suas funcionalidades;
  • Siga nossas dicas para começar agora mesmo a aplicar estratégias de Marketing Digital no Linkedin;
  • Faça o download do material disponibilizado pelo próprio Linkedin, e boas vendas!

Gostou do nosso conteúdo? Se você acha que isso tudo faz sentido para o seu negócio e quer saber um pouco mais sobre como colocar em prática, estamos aqui! Feedbacks são ótimos e a gente adoraria colaborar ainda mais com você. Escreva para o Fernando Potrick, nosso head de conteúdo: potrick@gama.etc.br.