O QUE É LANDING PAGE E PARA QUÊ SERVE?

landing pages

Em nosso artigo sobre as diferenças entre sites multipage, onepage e landing page, falamos um pouco sobre cada uma dessas modalidades de site. Agora, entenda melhor como funciona uma landing page e o motivo dela ser essencial para qualquer negócio digital que tenha como objetivo conseguir mais leads:

O que é uma landing page?

A landing page é uma página única que o usuário abre através de um link. Ou seja, ela pode ser uma página de um site multipage.

A característica principal desse modelo é que a landing page tem como foco principal a conversão de leads.

A landing page é basicamente uma página de vendas, onde você divulga algo que sua empresa está oferecendo no momento. Por exemplo: se sua empresa desenvolveu um ebook, a landing page serve exclusivamente para explicar sobre o que é o ebook e quais as vantagens de adquiri-lo.

Landing page do escritório Britto & Lemmertz
Criada pela Gama, esta é a Landing Page do escritório Britto & Lemmertz, oferecendo acesso à Nota Técnica que tratará da Lei Complementar 173.

Uma landing page sempre deve ter um formulário para que a pessoa interessada preencha seus dados e consiga adquirir a oferta, a fim de que sua empresa consiga um lead.

Sendo assim, a landing page serve para aproximar os visitantes de uma empresa através de uma promoção, um produto ou serviço.

As principais características de uma landing page são:

  • Página minimalista, sem muitos elementos;
  • Foco em call to action e textos essencialmente criados nas características de copywriting;
  • Composta por título, formulário, descrição e call to action.

Por que criar uma landing page?

Ao contrário das páginas comuns dos websites, as landing pages são criadas para um objetivo em específico. Por essa razão, a estrutura dessa página é focada em despertar a curiosidade e fazer com que o público-alvo tenha interesse no que está sendo ofertado.

Resumindo, as landing pages servem exclusivamente para conversão, portanto, se o objetivo é conseguir mais leads para seu negócio, essa é a estratégia perfeita.

Benefícios de criar uma landing page

Segmentação de leads

Com a landing page é possível saber em qual nível da jornada de compras está um lead. Isso é feito a partir das informações que você exige na hora dele adquirir a oferta.

De acordo com as perguntas que você incluir na landing page, criam-se grupos de pessoas semelhantes. Assim, você pode criar estratégias segmentadas para cada grupo e melhorar a conversão.

Baixo custo em aquisição de leads

Conseguir informações de clientes demanda bastante tempo e, principalmente, dinheiro.

Por isso, com apenas uma landing page você consegue uma boa quantidade de dados de forma orgânica, além de oferecer um conteúdo de valor que demonstrará a autoridade de sua marca.

Tipos de landing page

Página de captura

Essa seria a página de captura básica, na qual uma oferta é anunciada e campos de preenchimento obrigatórios para adquirir dados como nome, email e telefone do lead.

Página de confirmação

Após o possível cliente preencher seus dados, o mais comum é ele ser redirecionado para uma página contendo todas as informações de como adquirir o que foi ofertado: essa é a página de confirmação.

Ela precisa ser o mais simples e esclarecedora possível, para não gerar dúvidas.

Página de vendas

Esta é mais elaborada que a de captura. Ela serve para apresentar um serviço ou produto, então precisa ter diversos elementos que atraiam o lead.

Esse tipo de página contém uma descrição elaborada da oferta, seus benefícios e porquê o lead precisa dela para sanar suas dores, além de call to actions que levem o usuário até a página de compra.

Página de obrigado

A página de obrigado é colocada no final de uma conversão, após o lead ter realizado uma compra ou adquirido um material gratuito.

É de bom tom redirecionar o usuário à página de obrigado pois demonstra simpatia e cordialidade por parte da empresa.

O que uma ferramenta de criação de landing page precisa ter

Hoje em dia existem diversas plataformas para criação de landing pages na internet. Porém, pode ser que nem todas ofereçam as características essenciais para colocar a página no ar. Sendo assim, confira 4 aspectos para considerar antes de contratar uma plataforma de landing pages:

Adequação à LGPD

De acordo com a Serpro, a LGPD, lei que entrou em vigor em agosto de 2020, tem como objetivo criar um cenário de segurança jurídica, com a padronização de normas e práticas para promover a proteção de forma igualitária dentro do país e no mundo, aos dados pessoais de todo cidadão que esteja no Brasil.

Ou seja, é um conjunto de regras relacionadas ao armazenamento, coleta e compartilhamento de dados pessoais.

Visto que o propósito da landing page é obter dados de possíveis clientes, é evidente que ela precisa estar de acordo com as regras da LGPD.

Sendo assim, é obrigatório que a plataforma de criação de landing page tenha campos de proteção de dados.

Responsividade

Por incrível que pareça, muitas empresas ainda se esquecem de criar modelos de landing page que se adaptam aos smartphones, por isso, é preciso ficar atento se a ferramenta oferece a possibilidade de visualização em dispositivos móveis.

Integração com outras ferramentas e sistemas

Para que você possa colocar as estratégias pós-conversão em ação, é preciso analisar e utilizar os dados na prática. Por isso, é muito importante que a plataforma tenha possibilidade de integração com CRM, públicos no Facebook e e-mail marketing.

Elementos visuais de uma landing page

O design da landing page também é muito importante para a conversão, por isso deve sempre prezar pelo UX. Confira algumas dicas de como criar uma página visualmente agradável:

Títulos e subtítulos landing page

Os títulos e subtítulos são úteis para direcionar o usuário às informações que ele precisa saber. É importante que eles sejam chamativos e esclarecedores, para que o lead não perca o interesse.

Cores

A escolha de cores precisa ser feita com muita atenção, pois elas ajudam a comunicar o que você deseja ao usuário. De acordo com a psicologia das cores, o vermelho inspira energia, por exemplo.

Siga a identidade visual da sua empresa, mas saiba como aplicar as cores corretamente, deixando o texto com cores fáceis de ler e que se destacam do fundo.

Imagens

É muito importante colocar imagens do produto ofertado na landing page. Afinal, a maioria das pessoas se interessa por algo ao visualizar o objeto. Contudo, evite colocar imagens em excesso, para não poluir a página.

Descrição

As descrições ajudam o usuário a entender a oferta. Elas precisam ser sucintas, objetivas e convincentes, para que o lead entenda o motivo daquele produto ser necessário a ele. É interessante destacar as partes mais importantes da descrição.

Formulário

O formulário precisa ser muito bem estudado antes de iniciar a criação da página. Quais dados exatamente você precisa saber do cliente? Em quais estratégias você pretende aplicar esses dados? Pense nisso na hora de elaborar as perguntas.

Pedir muitas informações não é recomendável, por isso, coloque somente o que realmente necessita

Depoimentos

Colocar depoimentos de pessoas que tiveram boas experiências com o produto ofertado é ótimo para gerar confiança nos leads, pois demonstra a credibilidade de sua empresa.

Call to Action

As calls to action (CTA’s), ou “chamadas para ação”, são aqueles botôes com frases imperativas como “Baixe seu ebook agora” ou “quero comprar agora”. Elas são essenciais em uma landing page, pois indicam ao usuário como e onde adquirir a oferta.

Se você deseja criar uma página de venda longa, com várias informações, é importante colocar mais de uma CTA. As landing pages são primordiais para a captação de leads no mercado digital. Agora que você já sabe como criá-las, coloque as dicas em prática e consiga mais conversões para seu negócio!


Gostou do nosso conteúdo? Se você acha que isso tudo faz sentido para o seu negócio e quer saber um pouco mais sobre como colocar em prática, estamos aqui! Feedbacks são ótimos e a gente adoraria colaborar ainda mais com você. Escreva para o Fernando Potrick, nosso head de conteúdo: potrick@gama.etc.br.

UX: VOCÊ SABE COMO MELHORAR A EXPERIÊNCIA DE USUÁRIO?

UX: user experience

Você sabe o que é UX? Hoje em dia é difícil encontrar empresas que trabalham no meio digital e desconhecem este termo. Contudo, por mais que UX seja algo bastante difundido, muitas pessoas não sabem o seu real significado e como aplicar em seu negócio.

Acompanhe este artigo e entenda como o UX é essencial para revolucionar a estratégia de vendas da sua empresa:

O que é UX?

UX é um termo usado para simplificar o conceito de User Experience. Traduzindo para o português: experiência do usuário. Ou seja, é aquilo que o usuário vai sentir ao utilizar seu produto, serviço, site, ou qualquer outro tipo de oferta, com base em estética, usabilidade, interação e outros aspectos. 

Por exemplo: você quer comprar um tênis de corrida pela internet. Entra em um site e ele demora a carregar, quando a página abre há muitas informações espalhadas de promoções, produtos novos e não existem categorias específicas para cada tipo de tênis, portanto, você precisaria procurar por dezenas de páginas até encontrar o modelo que deseja.

Já em outro site, a página abre rapidamente. Logo de primeira você encontra a seção de categorias, onde há uma específica para tênis de corrida, além de filtros de preço, marca e cor.

Provavelmente você compraria no segundo site, não é?

Isso porque a experiência do usuário no primeiro site foi ruim, enquanto a do segundo foi ótima.

Sendo assim, para que sua empresa proporcione um UX de qualidade, você precisa dar atenção para alguns aspectos que veremos a seguir:

Elementos do UX

Agora que você já sabe o que é a experiência do usuário, entenda quais os elementos necessários para torná-la agradável ao cliente.

UX | Usabilidade

Quanto mais simples de utilizar for um site, mais interações ele terá. Por isso, é primordial criar uma página intuitiva para que o usuário consiga atingir seu objetivo de maneira satisfatória.

Tenha em mente que uma pessoa ao entrar pela primeira vez desconhece o site, então a missão do UX é guiá-lo pela página utilizando elementos visuais, design intuitivo e textos simples.

UX | Estética

Pense num shopping. Você geralmente entra nas lojas que mais te atraem visualmente e que possuem mais elementos semelhantes aos seus gostos.

O mesmo serve para um site. Os usuários permanecerão nas páginas que mais chamam atenção pela estética. É vital construir o design de um site pensando 100% no público-alvo, considerando palavras-chave e imagens que causem identificação, bem como a psicologia das cores, visto que as cores influenciam o comportamento humano.

UX | Desempenho

Na era digital buscamos soluções cada vez mais práticas e imediatas. Um site que demora para carregar, com links quebrados e que não funciona na versão mobile perde inúmeros seguidores.

Até mesmo o Google valoriza sites que carregam rápido. O tempo de carregamento da página é uma das métricas levadas em consideração na hora de ranquear os sites nos motores de busca.

Portanto, melhorar o tempo de carregamento e utilizar palavras-chave melhoram o UX e de quebra colocam seu site no topo das páginas de pesquisa.

Uma pesquisa realizada pela Kiss Metrics revela que:

  • 47% dos usuários esperam que as páginas carreguem em até 2 segundos
  • 50% dos visitantes saem do site caso ele demore mais de 03 segundos para carregar
  •  1 segundo de atraso na resposta da página ocasiona uma queda de 7% nas conversões

UX | Acessibilidade

Sem acessibilidade, muitos usuários são impedidos de realizar ações do cotidiano na internet.

Para incluir usuários com deficiência visual, auditiva e cognitiva, existem diversas ferramentas criadas para que nada prejudique o UX dessas pessoas.

Por exemplo: pessoas com deficiência visual utilizam leitores de tela que permitem que o usuário ouça o que consta no site. Por isso é muito importante inserir descrições de imagens, gráficos e ilustrações através do atributo alt no HTML.

Se o seu site contém vídeos, lembre sempre de incluir legendas para que pessoas surdas possam assistir e consumir o conteúdo completo.

Quais as vantagens do UX para uma marca?

Você deve estar se perguntando: tudo isso realmente traz retorno? E sim, investir no UX de um site traz uma série de vantagens. Confira a seguir:

Tráfego

Uma página visualmente agradável, fácil de navegar e que não demora para carregar atrai visitantes, possui maior tempo de permanência, além de gerar uma taxa de rejeição baixa.

Conversões

Quando o usuário consegue navegar por um site sem dificuldades, maior é a chance dele atingir seu objetivo, ou seja, comprar um produto, preencher uma landing page, ou se inscrever em uma newsletter, por exemplo.

Fidelidade

Se o usuário tem uma boa experiência ao entrar em seu site, é muito provável que ele volte em outro momento e reconheça sua marca como referência na solução de problemas.


Concluindo: A experiência do usuário é, acima de tudo, essencial para deixar o cliente satisfeito, fidelizá-lo e, consequentemente, torná-lo um divulgador de sua marca.  Portanto, proporcionar uma experiência agradável ao usuário é demonstrar preocupação e atenção ao cliente.

Gostou do nosso conteúdo? Se você acha que isso tudo faz sentido para o seu negócio e quer saber um pouco mais sobre como colocar em prática, estamos aqui! Feedbacks são ótimos e a gente adoraria colaborar ainda mais com você. Escreva para o Fernando Potrick, nosso head de conteúdo: potrick@gama.etc.br.

AS DIFERENÇAS ENTRE SITES MULTIPAGE, ONEPAGE OU LANDING PAGE

Alguns termos, à primeira vista, podem parecer muito técnicos e complexos. Por isso, você que é um empreendedor, pode não ter ideia do que são e quais são as diferenças entre sites multipage, onepage ou landing page.

Contudo, se você deseja investir em um negócio digital, é de extrema importância saber o básico sobre o funcionamento e a construção de sites, visto que existem modelos diferentes que se encaixam em perfis diferentes de público-alvo.

É difícil de se encontrar um site nos mecanismos de busca sem o auxílio das estratégias de marketing digital, por isso é fundamental conhecer os recursos disponíveis para que sua empresa obtenha destaque online.

Dessa forma, conheça agora as diferenças entre sites multipage, onepage ou landing page e veja que o tema é bem mais simples que aparenta.

Multipage, onepage ou landing page: o que são?

Site multipage

Os multipages são os sites mais comuns da internet. É através deles que as pessoas encontram empresas, se informam, bem como consomem conteúdos. Basicamente, os sites multipages são aqueles que possuem várias páginas hospedadas em um único domínio.

site multipage: exemplo Metalúrgica Nunes
Desenvolvido pela Gama, o site da Metalúrgica Nunes está estruturado em diversas páginas, oferecendo navegabilidade por diferentes setores da empresa.

Eles servem para lojas virtuais, páginas institucionais, informativas, entre outros propósitos. Invariavelmente possuem um menu completo que indica o caminho para todas as páginas. À medida que o usuário navega por diferentes seções, o site abre uma nova página.

Site onepage

O site onepage é similar ao multipage, a única diferença é que todas as informações são compactadas em uma única página. Esse modelo de site é como uma espécie de feed, onde as informações da página aparecem conforme o usuário rolar para baixo.

O estilo onepage serve para empresas que não desejam postar um conteúdo muito extenso no site, visto que tudo precisa estar disponível em apenas uma página.

O design é algo primordial nesse tipo de página para prender a atenção do visitante a fim de que queira chegar até o final.

Site onepage: exemplo da Movimentum Treinamento Funcional
Desenvolvido pela Gama, o site da Movimentum, um CT de Treinamento Funcional, é um belo exemplo de criação onepage.

O site da Movimentum Funcional é um exemplo de onepage. Todas informações estão dispostas em uma página, com um menu suspenso que guia o usuário pelas seções.

Landing page

A landing page é uma página única que o usuário abre através de um link. Ou seja, ela pode ser uma página de um site multipage.

Entretanto, a diferença para os demais é que a landing page tem como foco principal a conversão de leads.

Essa página é basicamente uma página de vendas, onde você divulga algo que sua empresa está oferecendo no momento. Por exemplo: se sua empresa desenvolveu um ebook, a landing page serve exclusivamente para explicar sobre o que é o ebook e quais as vantagens de adquiri-lo.

multipage, onepage ou landing page? Exemplo Britto & Lemmertz.
Criada pela Gama, esta é a Landing Page do escritório Britto & Lemmertz, oferecendo acesso à Nota Técnica que tratara da Lei Complementar 173.

Uma landing page sempre deve ter um formulário para que a pessoa interessada preencha seus dados e consiga adquirir a oferta, a fim de que sua empresa consiga um lead.

Sendo assim, a landing page serve para aproximar os visitantes de uma empresa através de uma promoção, um produto ou serviço.

Multipage, Onepage ou Landing page? Qual escolher para minha empresa?

Na maioria das vezes não há uma resposta definitiva em relação ao tipo de página mais indicada para empresas. Entretanto, uma coisa é certa: é bom sempre escolher o modelo de site que combina com as estratégias do seu negócio.

Mas como saber isso? Veja as características de cada modelo de site e descubra qual é o mais indicado para sua empresa:

Características do onepage:

  • Velocidade de carregamento rápida;
  • Conteúdo mais “direto ao ponto”;
  • Adaptável facilmente a todos os dispositivos (computador, smartphone, tablet, etc.);
  • Design moderno.

Escolha uma onepage se você:

  • Quer apresentar um conteúdo mais “enxuto”, ou seja, não possui conteúdos densos;
  • Não pretende investir em estratégias aprofundadas de marketing digital no site;
  • Precisa de uma solução simples.

Características do multipage:

  • Serve para conteúdos frequentes e mais extensos;
  • Institucional ou comercial;
  • Possibilidade de acrescentar várias páginas em um mesmo site.

Escolha o multipage se você:

  • Deseja postar conteúdos extensos;
  • Vai ter publicações frequentes como notícias e artigos;
  • Pretende investir em um marketing digital mais aprofundado.

Características da landing page

  • Página minimalista, sem muitos elementos;
  • Foco em call to action e textos essencialmente criados nas características de copywriting;
  • Composta por título, formulário, descrição e call to action.

Escolha a landing page se você:

  • Precisa divulgar uma oferta pontual;
  • Quer gerar um alto número de conversões;
  • Deseja adquirir uma base de leads.

Sites multipage, onepage ou landing page: conclusão

É de extrema importância conhecer as diferenças entre sites multipage, onepage e landing page, pois cada um atende a necessidades específicas que precisam estar de acordo com seus objetivos.

Fazendo a escolha correta, criando um site bem construído, intuitivo e organizado, ele será facilmente encontrado e, desse modo, vai atrair cada vez mais clientes para sua empresa.


Ainda não tem um site e quer saber se a sua empresa necessita de um? Ou então quer saber qual modelo se encaixa na sua necessidade? Entre em contato com a gente e solicite mais informações: WhatsApp Gama

8 AÇÕES PARA TRANSFORMAR SUA EMPRESA OFFLINE EM ONLINE

comunicação digital

Com a crise do Coronavírus, uma tendência que já vinha crescendo no passado teve um aumento explosivo: a transformação da empresa offline em online. Conforme mais pessoas passaram a ficar em suas casas, a necessidade das compras online cresceu, e por isso, a demanda por empresas online se viu extremamente necessária.

Dessa forma, se você deseja migrar a sua empresa offline para o online é importante levar em consideração diversas práticas utilizadas no meio digital diferentes do planejamento de um negócio físico.

Confira 6 dicas (e mais 2 bônus no final) de como explorar seu negócio local na versão online:

1. Estude o seu mercado

Apesar das inúmeras diferenças entre o físico e o digital, o primeiro passo para transformar sua empresa offline em online é o mesmo que qualquer tipo de negócio: estudar o mercado.

Esse processo é muito importante para garantir bons resultados, além de evitar gastos desnecessários. Baseie seu estudo nos seguintes tópicos: 

  • Benchmarking: é uma pesquisa profunda acerca da concorrência e como ela atua no mercado, a fim de integrar as melhores práticas ao seu negócio online;
  • Estudo de mercado geral: aqui, você precisa determinar quais as dores, demandas e resultados do segmento em que sua empresa atuará.
  • Estudo do público: nessa etapa é preciso entender quem é seu público-alvo, quais são suas necessidades, comportamentos e preferências.
  • Persona: a partir da análise de público-alvo, dados e feedbacks de clientes, crie uma representação fictícia do cliente ideal para seu negócio online. Isso serve para ter um direcionamento nos conteúdos produzidos.
  • Marketing Digital: se você deseja transformar sua empresa offline em online, é essencial estudar e planejar estratégias de marketing digital. Elas vão atrair o público ao canal desejado.

2. Crie uma conta para sua empresa online no Google Meu Negócio

O Google Meu Negócio é uma plataforma gratuita do Google para gerenciamento dos negócios locais no site. Ou seja, com ela, sua empresa vai aparecer nos resultados das buscas do Google e no Google Maps.

Contudo, se você deseja transformar sua empresa offline em 100% online, não será possível utilizar os serviços do Google Meu Negócio, visto que a ferramenta é voltada para endereços físicos. 

Você pode saber tudo sobre as funcionalidades e utilização do Google Meu Negócio neste artigo.

3. Gerencie os leads

Os leads são os seus possíveis clientes, algo muito valioso para o marketing digital.

O meio mais comum de conseguir esses leads é de forma orgânica, oferecendo um conteúdo de valor, amostra grátis de um serviço, etc. Em troca, o possível cliente fornece seus dados: email, telefone, entre outros.

Com isso, você forma uma base de contatos bem estruturada e pode manter-se mais próximo da sua audiência, conhecer seu público e mandar propostas segmentadas.

Entretanto, é impossível armazenar e gerir todos esses dados manualmente. Dessa forma, você vai precisar de ferramentas específicas para gerenciamento de leads.

Os sites mais utilizados pelas empresas online no Brasil são a ofertas mais conhecidas por aqui são o HubSpot, o Salesforce, e o RD Station.

Essas ferramentas permitem que você acompanhe de perto os consumidores em potencial, dessa maneira, garantem a passagem por todas as etapas do funil de vendas. 

4. Mantenha os meios de comercialização e pagamento de sua empresa online simplificados

Um passo extremamente necessário para transformar sua empresa offline em online, é manter, acima de tudo, o processo de compra o mais simples possível. Uma boa plataforma de e-commerce e um sistema de pagamento seguro têm papel fundamental nisso.

Visto que cada vez mais pessoas estão aderindo às compras online, a concorrência vai aumentando gradualmente, desse modo, os clientes sempre darão preferência às lojas com plataformas intuitivas e comprovadamente seguras.

Por isso, na hora de transformar sua empresa offline em online, faça um bom planejamento de logística, estoque e pesquisas de plataformas de e-commerce.

5. Faça um planejamento de Marketing de Conteúdo

O marketing de conteúdo no online é feito, basicamente, de duas maneiras: atraindo o público orgânico (Inbound marketing), ou utilizando o tráfego pago (Outbound Marketing).

O primeiro método, é a criação de conteúdos de valor em diversos canais como posts para redes sociais, sites, artigos para blog com otimização em SEO, bem como email marketing. Nessa estratégia, é o público que vai até sua empresa.

Em segundo lugar, no Outbound marketing, sua empresa é quem irá até o possível cliente, através do tráfego pago. Você paga um valor para anunciar suas campanhas publicitárias a um público segmentado de leads.

Com o Inbound Marketing, você obtém um público fiel, mantido a longo prazo; já com o Outbound Marketing, você consegue atingir uma quantidade maior de pessoas em menos tempo.

As duas estratégias devem ser utilizadas em conjunto, mas de modo que não entrem em conflito.

6. Mantenha o público de sua empresa engajado

Os consumidores no meio digital, em geral, não desejam somente fazer uma compra. Eles precisam ter uma boa experiência com a empresa, conhecer sua missão, visão e valores, para enfim, identificar-se com ela e só então realizar a compra.

Isso significa que a sua marca precisa demonstrar que não é somente uma prestadora de serviços, mas sim, que há humanos por trás fazendo o trabalho acontecer. Por isso, uma boa comunicação através das redes sociais é um fator muito relevante a ser considerado na hora de migrar a empresa offline para o online.

Crie posts que promovam interação, responda mensagens, comentários, e, se possível, contrate uma equipe especializada em gestão de redes sociais. Assim, sua marca vai mostrar a importância que dá ao cliente.

2 ações bônus para transformar sua empresa offline em online:

Uma loja online não é algo imprescindível para gerar vendas no ambiente digital. No entanto, se futuramente você deseja transformar sua empresa offline em um e-commerce, confira mais 2 dicas úteis para obter sucesso no meio digital:

Registre um domínio

O domínio é o endereço do seu site, aquilo que vai antes do .com. Comprar um domínio torna o nome de seu site exclusivo e inconfundível. Além disso, é muito provável que mais clientes encontrarão seu site, visto que ele aparecerá nos mecanismos de busca. 

Vale ressaltar a importância da escolha da palavra-chave na criação do domínio. Utilizar o nome de sua marca favorece o posicionamento da página na web, contudo, você pode também registrar o domínio com uma palavra muito relacionada ao seu segmento. Dessa forma você atrai pessoas interessadas que podem virar clientes.

Crie um site

Com o domínio criado, agora você precisa definir onde o site será hospedado. Se você não tem conhecimento em criação de sites, é necessário contratar um especialista na função.

O software mais comum de hospedagem de sites é o WordPress, que possui uma estrutura simplificada e totalmente personalizável.


Agora que você já sabe todas as ações necessárias para transformar sua empresa offline em online, coloque o plano em prática e conquiste cada vez mais clientes no digital!

Gostou do nosso conteúdo? Se você acha que isso tudo faz sentido para o seu negócio e quer saber um pouco mais sobre como colocar em prática, estamos aqui! Adoramos feedbacks e também gostaríamos de colaborar ainda mais com você. Escreva para o Fernando Potrick, nosso head de conteúdo: potrick@gama.etc.br.

QUANTO VALE CADA LEAD PARA A SUA EMPRESA?

Um lead é aquela pessoa que pode vir a se interessar pelo seu produto ou serviço, ou seja, um potencial cliente de seu negócio. As estratégias de marketing digital são, em sua maioria, todas todas focadas em transformar o lead em um cliente e por isso é primordial calcular quanto vale cada lead para a sua empresa.

Os leads podem surgir através do tráfego orgânico, descobrindo seu site ou redes sociais; bem como através do tráfego pago, quando você investe em anúncios que aparecem para os potenciais clientes. 

Quando utilizado o tráfego pago, é possível calcular quais serão os custos da conversão dos leads em clientes. Contudo, muitas empresas cometem erros por não saberem administrar o processo da maneira correta, visto que não sabem avaliar as métricas existentes no fluxo de aquisição de leads.

Veja abaixo quais são:

Calculando quanto vale cada lead para a sua empresa

Antes de saber quanto vale cada lead para a sua empresa, primeiramente, você deve entender algumas métricas básicas do tráfego pago:

CPC – Custo por Clique

O CPC é o custo por cada clique realizado em um anúncio. Ele pode ser calculado a partir do Google Ads, Facebook Ads e outras plataformas de tráfego.

Ou seja, o custo por clique é literalmente o valor que se paga para cada clique em um anúncio. Toda vez em que um lead clica no anúncio, o anunciante será cobrado.

Para calcular o CPC você precisa definir uma palavra-chave com um valor específico e dividir o custo total da campanha pelo número de cliques que o anúncio recebeu.

Por exemplo: se uma empresa investiu R$1200,00 em uma campanha e conseguiu 2000 cliques, o custo por clique da palavra-chave foi, em média, R$0,60.

Sabendo quanto custa gerar tráfego para os seus conteúdos e ofertas, é possível saber quais deles terão o melhor custo por conversão.

CPL – Custo por Lead

O custo por lead é o valor resultante da divisão entre o investimento na campanha e o número de pessoas que se interessaram pela sua empresa através do anúncio.

Ou seja, considerando que dos 2000 cliques do exemplo anterior, 150 pessoas se mostraram realmente interessadas no anúncio.

Isso significa que, mais ou menos a cada 13 cliques o anúncio converteu um lead e, portanto, o custo por lead é de R$ 7,80 (13 cliques X valor do CPC).

Em geral, quanto menor é o CPL, mais a estratégia de conversão está sendo eficiente, mas, como veremos mais adiante, isso não é uma regra.

LPV – Leads por Venda

O LPV calcula quantos leads foram necessários para obter uma venda propriamente dita.

Com essa métrica é possível fazer uma média de quantos leads o seu anúncio precisa para realizar a venda e, dessa forma, saber quanto investir e quais estratégias manter/alterar nas próximas campanhas.

Para calcular o LPV, basta dividir o número de leads convertidos pelo número de vendas.

CPV – Custo por Venda

Por último, o custo por venda é, basicamente, o valor total gasto com estratégias até adquirir a venda. Você pode calcular a métrica a partir da multiplicação entre o custo por lead (CPL) e o lead por venda (LPV). É importante ressaltar que nesse cálculo não estão inclusos gastos com produção, manutenção e equipe de vendas.

Exemplo: Considere que o valor do CPL da campanha foi de R$ 7,80 e o LPV foi 13.

O CPV será R$ 101,40, pois CPV = CPL x LPV

Então, o custo total por venda será de R$ 101,40.

Concluindo: Quanto vale cada lead para a sua empresa?

Se você considerar todas as métricas que vimos anteriormente, observe que não é correto basear-se literalmente no preço na hora de calcular quanto vale cada lead para a sua empresa.

O principal é identificar quantos leads são necessários para realizar uma venda, o LPV. A partir daí, você saberá qual o maior valor que poderá pagar por um lead e obter o lucro desejado.

Por isso, o custo por lead é relativo ao seu segmento, sempre. Por exemplo, o CPL de R$ 100,00 geralmente é considerado caro. Mas em nichos específicos pode ser um custo barato.

Isso porque são nichos de produtos com boa margem de lucro. Se você vende um produto X que custa R$ 4000,00 e lucra R$ 3000,00, precisando de 10 leads por venda, um CPL de R$ 100,00 não é tão caro assim.

Custo por lead: bons negócios
Avalie as métricas e aposte em negócios que possam geram um bom custo por lead.

Portanto, nem sempre pagar menos por um lead, é a melhor escolha. Pois, quanto mais competitivo e segmentado for o seu mercado, maior o CPL.

Então, conhecendo todas as métricas de seus anúncios, você pode criar um fluxo de vendas cada vez mais efetivo e apenas adaptar estratégias nas próximas campanhas.

Afinal, de nada adianta ter um bom tráfego orgânico, muitas visitas no site e engajamento nas redes sociais, mas poucas vendas. Uma vez tendo estratégias e análises consistentes, o processo de geração de leads torna-se gradualmente mais simples e assertivo. Fazendo com que seu negócio feche muito mais vendas!


Gostou do nosso conteúdo? Se você acha que isso tudo faz sentido para o seu negócio e quer saber um pouco mais sobre como colocar em prática, estamos aqui! Adoramos feedbacks e também gostaríamos de colaborar ainda mais com você. Escreva para o Fernando Potrick, nosso head de conteúdo: potrick@gama.etc.br.

NEGÓCIO LOCAL: COMO SER DIGITAL?

Diferentemente das estratégias de marketing para empresas com atuação abrangente ou operações digitais, como as lojas virtuais por exemplo, um negócio local exige atenção e dedicação a algumas frentes específicas. Isso não significa que seja melhor ou pior, somente que há peculiaridades que diferenciam estas atuações.

Vitrines bonitas e descontos especiais ainda têm espaço nas redes sociais.

Em alguns pontos, inclusive, as táticas de marketing podem ser válidas para ambos os contextos, com pequenas mudanças. Porém, de maneira geral, algumas especificidades precisam ser contempladas para que você tenha ótimos resultados.

Antes de mais nada, sua empresa precisa ser digital. Se não for, está na hora de repensar esta postura para começar a melhorar suas vendas. Mas, se você não quer aderir à era digital: obrigado pela sua leitura aqui, e boa sorte. Você vai precisar!

Grandes incorporações x Negócios Locais

Está comprovado: Negócios menores podem conquistar espaço numa determinada localização e superar em ranqueamento, no Google, grandes corporações nacionais. Somente com ajustes locais e utilizando técnicas SEO em seu site, negócios locais conseguem “se aproveitar” da geolocalização para obter excelentes resultados. Não sabe o que é SEO? Confere AQUI nesse texto completo do nosso blog.

Mas, voltando às buscas no Google, vamos pensar numa situação que muitos de nós já passamos. Ao procurar um produto ou serviço, você acaba adicionando nos termos da busca a cidade ou bairro que está. Mesmo que não faça isso, o próprio algoritmo do Google te indicará locais próximos. Dá só uma olhada no exemplo abaixo, em uma busca específica para a cidade de Caxias do Sul (RS).

Google: busca específica encontra negócio local.
Note que há diferentes ocorrências no Google Maps e na rede de pesquisa. em comum? Todos negócios locais!

Pois bem, com a publicidade paga não é diferente. Negócios locais conseguem obter resultados expressivos mesmo com orçamentos reduzidos de campanhas paga. Mas como? É simples: as grandes incorporações têm um alcance macro e executam diversas estratégias conduzidas por time de marketing completo. Já uma empresa local, como um comércio de roupas esportivas, por exemplo, consegue anunciar para o seu público de forma mais segmentada no que diz respeito ao público-alvo e à localização deste potencial consumidor.

Entenda como buscar seu potencial cliente com simples estratégias de pesquisas:

Estratégias de marketing para negócios locais

Existem diversas ações que podem definir como será a atuação digital da sua empresa. Considere que todas são perfeitamente aplicáveis, dependendo da estrutura do negócio e dos seus objetivos SMART.

Confira algumas delas e, se ainda não estiver aplicando, coloque em prática agora mesmo!

Blog

Mesmo que não seja um negócio local, ter um blog é uma ótima estratégia para ampliar e fixar sua presença digital. Cada vez mais, os usuários buscam informações a respeito de produtos e serviços e acabam encontrando as empresas que solucionam seus problemas, não aquelas empresas que ofertam algo mais barato.

Google Meu Negócio

Mais uma ferramenta gratuita do Google oferecida para potencializar seu alcance dentro dos mecanismos de pesquisa, ampliar sua presença digital e facilitar sua relação com potenciais clientes. Se você tem um negócio local, ou comanda qualquer estabelecimento com endereço físico, você potencializa seu alcance nos mecanismos de pesquisa, amplia presença digital e facilita sua relação com potenciais clientes. Confira tudo sobre o Google Meu Negócio clicando AQUI e acessando a este post completo.

Vídeos

O aumento de tráfego digital aumenta a cada ano e, com os vídeos, não é diferente. Seguindo o que falamos sobre o blog, os vídeos também são importantes aliados para você falar sobre o que seu negócio entrega. Além dos vídeos mais longos e tutoriais, os stories do Instagram surgiram de forma avassaladora e são potentes propulsores da sua empresa. Dá só uma olhada NESTE texto que aborda o assunto.

Benchmarking

A análise de concorrentes é um dos mecanismos fundamentais para parametrizar o crescimento da sua empresa, utilizando técnicas de Benchmarking. Não se furte em pesquisar o que as outras empresas da sua região – do mesmo segmento ou não – estão fazendo no meio digital. Isto pode clarear seu caminho ou até mesmo evitar que você cometa os mesmos erros. Para saber tudo sobre este benchmarking, acesse AQUI o nosso post completo.

Anúncios

A cereja do bolo. É fundamental definir estratégias de tráfego pago para o seu negócio. Todo trabalho orgânico será potencializado e, se a sua empresa ainda não for digital, os anúncios farão o trabalho de literalmente impulsionar sua empresa para outro nível. Para negócios locais, mais que outros segmentos e tamanhos de marcas, os anúncios direcionados para localizações específicas são mais certeiros e acabam segmentando melhor suas campanhas publicitárias.

Negócios digitais

Você tem redes sociais ativas, sua loja tem obtido um bom retorno, o site recebe visitantes, mas isso não está revertendo em vendas? Considere, como citamos logo acima, os anúncios! Mais do que nunca, as compras online estão em franca ascensão. Segundo pesquisa realizada pela Criteo, 67% dos brasileiros descobriram um novo jeito de comprar online e 80% continuarão comprando pela internet nas datas comemorativas.

O seu negócio local também pode se aproveitar – e muito – deste crescimento. Com anúncios bem segmentados nas redes sociais e direcionando cliente a executar a compra pelo Whatsapp ou pelo seu catálogo online, as vendas podem se multiplicar de uma forma que você não imagina. E o melhor disso tudo: não precisa contratar um monte de funcionários para área de marketing e investir milhares de reais!

Ainda tem dúvidas?

Acesse AQUI e descubra como revolucionar seu negócio em poucos dias realizando anúncios nas redes sociais e atraindo novos clientes para o seu Whatsapp Business.

Gostou do nosso conteúdo? Se você acha que isso tudo faz sentido para o seu negócio e quer saber um pouco mais sobre como colocar em prática, estamos aqui! Adoramos feedbacks e também gostaríamos de colaborar ainda mais com você. Escreva para o Fernando Potrick, nosso head de conteúdo: potrick@gama.etc.br.

12 DICAS DE MARKETING DIGITAL PARA COLOCAR EM PRÁTICA AGORA

dicas de marketing digital

Você tem uma estratégia de marketing online para sua empresa? Se a resposta for negativa, aproveite as dicas de Marketing Digital que preparamos para você, pois a sua realidade poderá mudar a partir de agora!

Atuar digitalmente já deixou de ser uma estratégia. Passou a ser uma necessidade. Estamos vivendo a era da digitalização das marcas e, caso você ainda não tenha percebido, talvez a sua empresa já seja digital!

Provavelmente você já entra em contato com seus clientes, fornecedores e parceiros pelo whatsapp. Você paga contas a partir de boletos enviados por email ou com QR code. Você recebe telefonemas e mensagens a partir da apresentação da sua marca no Google e nas redes sociais. Até as notas fiscais e assinaturas são eletrônicas!

Mas você precisa se preparar para extrair o melhor deste momento. Para isso, um bom planejamento de marca pode e deve ser colocado em prática – e ele é simples (se ainda não sabe como estruturá-lo, confere nosso post completo, clicando AQUI). Para que isso ocorra, você precisa se dedicar para organizar as suas informações, o que você sabe sobre o seu mercado e os seus clientes e definir como você vai entrar em contato com todo este universo.

Marketing Digital na prática

No momento que você decide explorar o que uma estratégia digital pode te oferecer, passar a controlar as ações e mensurar o retorno que seus esforços estão gerando vão provar o quanto vale a pena investir em Marketing de Verdade.

Pensando em te ajudar nesse processo, resolvemos colocar “no papel” tudo que há de mais importante nesse processo. Então, confira as 12 dicas que preparamos para você começar a investir e gerar resultados a partir das melhores técnicas e ferramentas de marketing digital.

1- Invista em Marketing de Conteúdo e/ou Inbound Marketing

Começamos a nossa lista do começo. Óbvio, né? Nem tanto! Abrimos as nossas dicas de Marketing Digital com o planejamento, que já falamos anteriormente, e deverá definir quais são as estratégias que serão seguidas. O comportamento do consumidor tem se remodelado nos últimos anos, muito pelas diversas opções disponíveis online.

Sem dúvidas, o Marketing de Conteúdo é uma excelente estratégia para capturar novos clientes e estabelecer um relacionamento entre empresa e cliente que possa ser duradouro. Outra opção é o Inbound Marketing, técnica que desenvolve ações voltadas para atrair potenciais clientes e vender, utilizando ferramentas de automação para executar e mensurar estas ações.

Diversas atividades são necessárias para se aplicar estas estratégias – algumas delas inclusive estarão nesse post – e devem respeitar a necessidade da sua empresa e de seu público-alvo. Publique conteúdo relevante, cative seu lead e torne seu processo de compra uma ação natural. Quer saber a diferença entre as duas estratégias e como colocar em prática? Confere esse post:

2- Aposte nas redes sociais

Se você ainda não sabe, é sua OBRIGAÇÃO como empresário estar presente nas redes sociais. Espero que essa sua visita ao nosso blog seja um indício que você já sabe disso e vai aproveitar as nossas dicas de Marketing Digital. Mas por quê? Simplesmente porque 96,2% das empresas afirmam estar presentes nas redes sociais. Mais que isso: 62,6% delas já consideram essas plataformas como fundamentais para as suas estratégias de Marketing Digital. Esses dados são do estudo top da empresa Rock Content no relatório Social Media Trends 2019, que traz um panorama completo dessa relação.

Portanto, ignorar esse contexto é definir que a sua empresa irá fracassar. Considere todas possibilidades, analise sua situação digital e mergulhe de cabeça nesse universo. Aceite, não tem mais volta!

Quer saber mais? Confere aí:

3- Defina objetivos SMART

Não é novidade que toda empresa precisa traçar um planejamento para obter sucesso e, nesse sentido, definir objetivos SMART são estratégias fundamentais. Apesar de parecer somente mais uma palavra americana (em inglês, smart significa inteligente ou esperto), SMART é um acrônimo formado pelas iniciais das palavras Specific, Measurable, Attainable, Realistic e Time-bound.

Ou seja, para alcançar bons indicadores, seus objetivos deverão ser específicos, mensuráveis, atingíveis, realistas e com um prazo definido. Para colocar isso em prática, temos um passo a passo, com exemplos reais, para você aprender:

4- Crie um calendário de postagens

Essa é uma das dicas de Marketing Digital que podem causar um certo mal estar. Mas ter um calendário de postagens, além de guiar e organizar seu perfil na rede social, vai fazer você economizar seu bem mais precioso: o tempo.

Calendários mensais, trimestrais, semanais, anuais… não importa! O que importa é você organize suas postagens. Se gosta do desprendimento das postagens do dia a dia, guarde isso para o story do Instagram ou então poste conteúdo extra. Não tem problema fazer a mais. O problema será deixar de postar porque outro assunto relacionado ao dia a dia da empresa falou mais alto (o que é perfeitamente normal).

DICA: Se tiver em dúvida com relação aos temas que serão abordados na postagem, existem diversas ferramentas – gratuitas e pagas – para te auxiliar. Um site que gostamos e utilizamos com nossos clientes é o AnswerThePublic. É só digitar um termo relacionado ao seu negócio (serviços, produtos, diferenciais, etc.), escolher localização e idioma, e acessar todas as sugestões. Ah, todas elas te levam a buscas no Google, mas o trabalho inicial de filtrar todas opções, é do site!

Isso vale também para quem tem um blog ativo (assim como este aqui). Defina um ritmo para produção de artigos e para conseguir promovê-los. Aqui na Gama, toda quarta-feira tem texto novo no Blog, então programe-se para isso 😉

Calendário de Postagens, uma das dicas de Marketing Digital
Este é um exemplo de calendário simples, que ajuda a organizar as postagens da semana.

5- Crie um BLOG

Pegando o gancho da dica anterior, você sabia que cerca de 53% dos profissionais de marketing afirmam que ter blog ativo é a principal prioridade entre as suas estratégias de Inbound Marketing? É o que diz uma pesquisa do Hubspot, comprovando a força da nossa dica!

Além de ter um espaço livre para criação de conteúdos variados, que podem solucionara vários problemas do seu consumidor em potencial, um texto bem escrito ajudará seu site a posicionar muito melhor nas buscas do Google.

6- Estude as técnicas SEO

Já que estamos nessa de gancho da dica anterior, essa é justamente para te ajudar – de forma orgânica – a melhorar o ranqueamento do seu site nas buscas. SEO, sigla para Search Engine Optimization, é um conjunto de técnicas e estratégias que permitem que isso ocorra.

Para um site oferecer retorno para uma empresa, ele precisa de tráfego. Ou seja, você precisa levar as pessoas até ele. Porém, obter isso aplicando as técnicas de SEO não é tão simples, afinal são mais de 250 itens que o algoritmo do Google leva em consideração.

Para dominar os principais conceitos de SEO, confere o nosso post:

7- Respeite o funil de vendas

O Funil de Vendas ou a Jornada de Compra é o processo ou caminho que qualquer pessoa atravessa, desde a descoberta da sua marca até a efetiva decisão de compra. Para entender melhor como isso funciona, na prática, confira esse post:

https://gama.etc.br/2020/06/05/jornada-de-compra-proponha-o-caminho-para-o-consumidor/

Como estamos falando bastante de conteúdo, aí vão algumas dicas para cada etapa:

  • Topo de funil: artigos no blog, vídeos, ebooks e newsletter. Apresente seu negócio e atraia o potencial consumidor;
  • Meio de funil: para quem busca informações mais específicas e aprofundadas, ofereça cases reais, webinars e lives. Assim como na etapa anterior, artigos e ebooks também podem ser utilizados, mas fique atento aos temas propostos;
  • Fundo de funil: produza conteúdos (escolha o formato certeiro) que possam auxiliar as pessoas a superarem os últimos obstáculos na decisão de compra. Demonstrações do produto, depoimentos reais e cases podem ser decisivos.

8- Produza e promova conteúdo relevante

Na primeira das dicas de Marketing Digital da nossa lista, falamos sobre a produção de conteúdo e depois seguimos mostrando diversas formas de utilizá-lo. Mas tão importante quanto produzir, é promover este conteúdo da melhor forma possível.

Uma boa alternativa para fazer essa divulgação de forma orgânica é através de mail marketing. Mas não aquela newsletter chata oferecendo promoção, que vem de lugares que você nem conhece. Distribua conteúdos específicos para o estágio do funil em que o seu cliente se encontra.

Se tiver uma graninha separada para investir, coloque-a em publicidade online. Estude os melhores canais para promover seu conteúdo e inicie agora mesmo os primeiros testes.

9- Anúncios pagos em Google Ads

Apostar em tráfego orgânico, no longo prazo, certamente trará resultados muito bons. No entanto, como citamos na dica anterior, investir em publicidade online é uma ótima alternativa para acelerar este processo.

Se você tem um site ou um estabelecimento comercial, investir em Google Ads pode ter impacto imediato. Os anúncios pagos podem ser feitos para as buscas no Google ou para outros locais, inclusive para perfis do Google Meu Negócio (saiba mais AQUI).

Para detonar nas suas campanhas de Google Ads, acesse nosso guia e comece a colher os resultados:

10- Campanhas de Facebook e Instagram Ads

Para quem não tem um site e aposta suas fichas nas redes sociais, essa é a opção certeira em publicidade online. E, nesse caso, colocamos as duas redes juntas porque a plataforma de anúncios utilizada é a mesma: o Gerenciador de Anúncios do Facebook. Mesmo que você só explore o Instagram como rede social principal, é necessário ter uma página no Facebook para anunciar na plataforma.

Existem diversas opções de anúncios, objetivos, formatos, visuais, públicos, orçamentos, que podem ser escolhidos em campanhas pagas no Face e no Insta. Basta que você saiba que conteúdo irá promover e para quem. E se ainda estiver com dúvidas para dar o pontapé inicial, confere esse nosso post que ajuda quem ainda num estágio inicial de publicidade online:

11- Pense mobile

O uso de smartphones e outros dispositivos móveis só cresce, isso é fato. Atualmente, estes dispositivos representam 43% das transações online no mercado brasileiro, segundo estudo da Criteo. Ou seja, por mais que você ainda não tenha percebido, sua empresa deve estar preparada para atender a esse consumidor. E isso se aplica tanto aos sites quanto aos formatos de conteúdos para as redes sociais.

12- Conheça seu público

Deixamos a dica mais importante por último. E sabe por que conhecer o seu público é tão importante? Porque NENHUMA das dicas anteriores funcionará se você as colocar em prática sem saber quem vai te consumir. Já imaginou uma campanha com design perfeito, objetivos bem definidos e estratégias certeiras para promover o lançamento de um produto vegano e acabar atingindo um público de carnívoros?

Claro, exageramos um pouco para poder enfatizar a importância de conhecer aquela pessoa que pode ser seu cliente. E se ainda não sabe como fazer para ser assertivo nessa etapa, a gente te ajuda!

Existem duas técnicas para colocar isto em prática: público-alvo e persona. Enquanto um se refere a um grupo específico de consumidores ou organizações que compartilham um perfil semelhante, o outro foca num personagem fictício criado para representar diferentes tipos de usuário a partir de seus comportamentos e atitudes.

Para estudar melhor estes conceitos e colocá-los em prática, acesse este conteúdo riquíssimo do nosso BLOG:

Uma das ferramentas que mais utilizamos para aprofundar as pesquisas de público é o Audience Insights, do Facebook. Você pode saber mais sobre ela clicando AQUI.


RESUMO
  • Se você não aposta em Marketing Digital, olha… eu tenho uma má notícia para você;
  • Comece do começo. Sim, isso é óbvio! Porém, o principal erro é ignorar esta premissa. Então: planeje-se;
  • Mais do que aproveitar uma das dicas, é complementá-las e extrair o melhor de cada;
  • Todas dicas aqui listadas foram testadas, aplicadas e trouxeram resultados práticos para os nossos clientes;
  • O melhor investimento que você pode fazer é em você mesmo;

Gostou do nosso conteúdo? Se você acha que isso tudo faz sentido para o seu negócio e quer saber um pouco mais sobre como colocar em prática, estamos aqui! Feedbacks são ótimos e a gente adoraria colaborar ainda mais com você. Escreva para o Fernando Potrick, nosso head de conteúdo: potrick@gama.etc.br.

APOSTE EM ESTRATÉGIAS SEO E REVOLUCIONE SEU SITE

SEO

Estratégias SEO são as principais ações que você colocará em prática para potencializar o tráfego do seu site, de forma orgânica.

Se a sua empresa tem um website, este post é para você. Cada vez mais, o visual de um site vai ficando em segundo plano no momento de definir seu sucesso. Como resultado prático, para um site oferecer retorno para uma empresa ele precisa de tráfego. Ou seja, você precisa levar as pessoas até ele.

Para que isso ocorra, é fundamental que a distribuição de conteúdo dentro de um site seja muito bem explorada, através de diversas opções de técnicas. Uma dessas técnicas para se gerar tráfego orgânico é apostar em estratégias SEO, sigla para Search Engine Optimization. Numa tradução livre, seria otimização para motores de busca. Ou se formos bem diretos, otimizar seu site para ser encontrado no Google.

Porém, lembre-se que tudo começa com um planejamento bem detalhado e reconhecimento do seu público. Se você ainda precisa de mais orientações sobre como seguir os passos corretos na elaboração desse planejamento, acesse nosso artigo AQUI. E se precisa aprofundar seus conhecimento sobre o seu melhor público-alvo, confere esse post:

Um site bem otimizado, com conteúdo relevante, certamente terá acessos. Para isso, ele deve conter boas palavras-chave, distribuir estas palavras-chave através da navegação e ser, claro, atraente ao público. Mas como isso é feito?

O que é SEO?

Como já antecipamos o que esta sigla significa, vamos explicar como isto funciona, na prática. SEO é um conjunto de técnicas e estratégias que permitem que um site melhore seu posicionamento nos resultados orgânicos do Google.

É uma das principais estratégias de Marketing de Conteúdo. Em cada busca, o Google procura organizar os conteúdos em um ranking que ofereça as melhores respostas nas primeiras posições. E os números abaixo, segundo o site Rock Content, mostram que os usuários confiam nesse julgamento do buscador:

  • Os três primeiros links orgânicos recebem cerca de 30% dos cliques;
  • Apenas 0,78% dos usuários clicam em algum link na segunda página dos resultados.  

Funcionamento dos motores de busca

Diante de um cenário onde a internet nos mostra a multiplicação de sites, redes sociais e milhares de informações, as empresas buscam modos de se destacar e aproveitar as oportunidades de alcance que a web proporciona para a realização de negócios.

Nesse sentido, os sites de buscas são ferramentas que contam com a automação de pesquisas, que varrem a web e indexam os assuntos da melhor maneira para disponibilizar esses dados organizados aos usuários. Para isso, esses mecanismos de buscas utilizam algoritmos que classificam as páginas da web de acordo com um determinado termo ou tema, apontando a relevância de cada página dentro de uma determinada consulta.

O algoritmo do Google, por exemplo, utiliza três procedimentos para fazer esse levantamento e oferecer as informações aos usuários.

SEO: Google é o principal buscador
Disparado na preferência mundial, o Google é sinônimo de “motor de busca”. Se você não está no Google, você não está!

1- Rastreamento

O primeiro deles é o rastreamento, processo pelo qual o Googlebot identifica as páginas novas para enviar esses dados ao índice do buscador. Para realizar essa ação, os robôs utilizam algoritmos para determinar a priorização e a frequência de indexação.

O processo é realizado com as URLs geradas por processos anteriores. O Googlebot visita cada uma das páginas, verifica a existência de novos links ou alterações e envia essas informações para a indexação, atualizando suas informações.

2- Indexação

Aqui é onde a mágica acontece. A indexação é o próximo processo, no qual o Googlebot realiza a análise e o processamento de todas as novas páginas e também das alteradas, incluindo todas elas em seu índice.

São indexadas informações acerca do conteúdo do site, sua data de publicação, título, descrição, performance, região e dados estruturados.

3- Busca

Por fim, temos o terceiro processo, a busca propriamente dita. Como você deve ter percebido, ela não ocorre diretamente na web, mas sim em um índice do próprio Google. É possível que as páginas listadas já não existam mais ou que tenham sido alteradas, já que leva um tempo para que essa atualização ocorra.

Quando realizamos uma pesquisa no Google, a resposta obtida não é aleatória. Ela é embasada em mais de 200 fatores de ranqueamento, mas saiba que a empresa não revela quais são os pontos mais relevantes para realizar o ranking das respostas. Mesmo assim, temos uma boa ideia de como melhorar o posicionamento, e isso é feito por meio do SEO.

On page

Ações On page são todas as alterações realizadas dentro das páginas e que são entendidas como boas práticas de estratégias SEO pelos algoritmos do Google, pois permitem que os robôs entendam do que trata o seu conteúdo.

Existem vários elementos que devem ser verificados, porém, vamos listar apenas os principais.

Autoridade

Há um importante ponto a ser entendido quando trabalhamos com estratégias de SEO: ela é eficaz, mas os resultados são obtidos em médio e longo prazo. Isso significa que é preciso ter paciência e consistência para que o posicionamento almejado seja alcançado.

Isso acontece porque outro critério bem conceituado na hora de ranquear páginas nas buscas é a autoridade do domínio (Domain Authority). Há uma mescla entre a quantidade de tempo de existência do site e a relevância de seu conteúdo para os usuários.

Cada página avaliada herda a autoridade do domínio em que está hospedada, por isso é importante trabalhar não apenas alguns conteúdos que se acredite serem mais valiosos, mas sim garantir estratégias SEO de todo o site.

A nota para a autoridade vai de 1 a 100. Quanto mais alta a nota que um determinado domínio recebe, maior o Domain Authority, tornando o site mais bem cotado em um ranqueamento em relação a outra página com menor autoridade.

Por conta disso, caso você esteja na fase de planejamento do seu site, não perca tempo para colocá-lo no ar, mesmo que ainda não tenha muito conteúdo. Uma vez que as páginas estiverem na web, elas já começarão a gerar autoridade.

Performance da página

Outro ponto muito importante para o ranqueamento de uma página em uma pesquisa diz respeito à sua performance. Caso o seu site leve mais de 2 segundos para ser carregado em um navegador com condições normais de internet, o Google o penaliza por prejudicar a experiência do usuário.

Ou seja, o design de uma página é fundamental, mas carregá-la de informações, imagens pesadas e vários GIFs pode não ser uma boa ideia em termos de performance. Isso deve ser levado em consideração na hora de construir um site.

Existem algumas formas de contornar essa situação, por exemplo, reduzir imagens e GIFs, minimizar sua qualidade, realizar carregamentos posteriores e outras técnicas simples e interessantes.

Arquitetura do site

Como falamos, as informações de um site são lidas pelo Googlebot. Ele espera que exista uma determinada ordem lógica de conteúdo, e a falta dessa organização pode dificultar o entendimento do algoritmo a respeito do real conteúdo disponibilizado, o que provoca um impacto direto no ranqueamento.

A estrutura das informações dentro da página é fundamental para a navegabilidade, o entendimento e a experiência do usuário, por isso, nada mais natural que o Google levar esse ponto em consideração na hora de ranquear os resultados.

É preciso seguir uma ordem lógica de cabeçalho, corpo de texto, rodapé e tags de títulos e intertítulos (H1, H2 e demais). Fontes de destaque também são importantes para demonstrar ideias centrais dentro do conteúdo da loja ou do site.

Quando um usuário entra na página, os títulos e intertítulos já dão uma ideia de como a informação está dividida e de onde o usuário pode procurar aquilo que busca. Chamamos isso de escaneabilidade, uma organização simples que auxilia o leitor a entender a arquitetura do conteúdo e permite uma leitura fluida.

Off page

Estratégias SEO não são feitas apenas dentro de seu site. É possível realizar ações também fora do seu domínio para gerar mais autoridade e chamar a atenção para suas páginas, gerando relevância na web e melhorando o ranqueamento.

Esse processo se chama SEO off page e consiste na construção de links em outras páginas. Essa atividade pode ser feita com a participação em fóruns ou por meio de comentários em redes sociais, blogs e outros sites, fazendo menção à sua marca.

Backlinks

Algo também comum para realizar essa atividade é o fechamento de parcerias com outros domínios de autoridade para a publicação de artigos que contenham links para o seu site.

A quantidade de links que apontam para as suas páginas tem um grande peso no ranqueamento do Google. O mecanismo considera que as citações de seus conteúdos em outros locais são como votos de confiança que demonstram que outras pessoas acreditam naquilo que você apresenta e acham seu conteúdo valioso.

Isso influencia diretamente na autoridade de domínio, demonstrando que o seu site é reconhecidamente um influenciador em determinado tipo de assunto, de acordo com os links construídos.

Menções à marca

Já falamos sobre os backlinks e como eles são importantes para a sua empresa. Porém, as simples menções à marca também são interessantes para gerar autoridade e criar relevância. Para isso, apenas uma citação, em vez de um link, já tem valor.

Os algoritmos do Google estão cada vez mais avançados e são capazes de ler e entender quando uma citação está se referindo a uma determinada marca, identificando o contexto dessa citação e analisando se ela é positiva ou negativa.

O que é palavra-chave?

Um dos fatores mais importantes para um bom posicionamento nos motores de pesquisa é a escolha correta da palavra-chave. Em resumo, é o termo de busca que o usuário pesquisa para alcançar uma página. Por exemplo, alguém que precisa comprar um tênis de corrida poderá pesquisar pelo termo “melhor tênis para correr”.

Por isso, é muito importante fazer pesquisas de palavra-chave para encontrar os termos que são relevantes para o seu público-alvo. Uma das boas opções é o próprio Google Keyword Planner.

Head Tail

Estas são as palavras-chave curtas, com uma ou duas palavras, e que representam o segmento como um todo. Ou seja, são amplas e genéricas e não segmentam buscas. Além de um volume gigante de buscas, a concorrência é enorme e isso pode prejudicar o seu ranqueamento.

Palavra-chave Head Tail para SEO
Mais de 450 milhões de ocorrências. Imagine se colocar no meio dessa concorrência!

Termos de busca muito curtos, como “vestido” ou “sapato”, são exemplos claros destas palavras-chave head tail. Por outro lado, palavras-chave como “vestido vermelho para festas” e “sapato de salto agulha” trazem outro conceito chamado de Long Tail.

Long Tail

Estas são as palavras-chave mais longas e específicas, que ajudam seu posicionamento nos mecanismos de busca. A cauda longa é extremamente recomendada para pequenas e médias empresas que não possuem capacidade de investimentos em mídia paga, já que abre diversas opções por meio de palavras-chave de menor competitividade.

Palavra-chave Long Tail para SEO
Bem melhor segmentar essa busca e concorrer com 17 mil né?

Esses termos possuem mais palavras que as mais buscadas e, por isso, segmentam melhor as buscas feitas no Google. Mesmo não apresentando um grande volume de buscas, com palavras-chave long tail você foge da grande concorrência e encontra mais facilmente seu público-alvo. O conceito advém do livro ‘A Cauda Longa – Do mercado de massa para o mercado de nicho’, de Chris Anderson. Consiste em vender pequenas quantidades de uma grande variedade de itens, ao invés de somente alguns produtos populares. Assim, enfrenta menos concorrência, porém com grande volume de vendas.


RESUMO
  • Aposte suas fichas no SEO para qualificar seu site e aumentar as vendas;
  • É fundamental saber todas técnicas que devem ser utilizadas, mesmo que não seja você a colocar isso em prática. Considere a contratação de empresas especializadas para isso;
  • Lembre-se que conhecer seu público é fundamental antes de escolher as palavras-chave;
  • Estratégias SEO vão revolucionar seu site;

Gostou do nosso conteúdo? Se você acha que isso tudo faz sentido para o seu negócio e quer saber um pouco mais sobre como colocar em prática, estamos aqui! Feedbacks são ótimos e a gente adoraria colaborar ainda mais com você. Escreva para o Fernando Potrick, nosso head de conteúdo: potrick@gama.etc.br.

COMO O GOOGLE MEU NEGÓCIO TURBINA A PRESENÇA DIGITAL DA SUA EMPRESA

Google My Business

Neste post, vamos falar sobre o Google Meu Negócio, mais uma ferramenta gratuita do Google oferecida para potencializar seu alcance dentro dos mecanismos de pesquisa, ampliar sua presença digital e facilitar sua relação com potenciais clientes. Se você tem um negócio local, ou comanda qualquer estabelecimento com endereço físico, saiba que este texto vai fazer a diferença na sua empresa.

O sistema de gerenciamento pode até lembrar algumas conhecidas redes sociais, mas o Google Meu Negócio surge como outro grande aliado, pois é totalmente integrado aos mecanismos de pesquisa, e funciona como um belo aprendizado para quem está começando.

Quando surgiu o Google Meu Negócio

Lembra das listas telefônicas? Pois então, lá em 2004, foi lançado o Google Local, uma espécie de mecanismo de busca voltado para empresas, no melhor estilo páginas amarelas.

Google Local
Alguém aí se lembra desse layout?

A partir desta ideia, foi iniciada uma sequência de adaptações e novas ferramentas. Vamos a elas:

  • 2005: É lançado o Google Maps, adicionando às funcionalidades com o Google Local. Naquela época, o grande barato era buscar sua casa ou bairro (entregando a idade em 3, 2, 1…) no Google Earth.
  • 2005: É criado o Google Local Business Center, recurso que habilitava a inclusão das empresas nas listas do Google Local, limitado aos administradores de negócios.
  • 2009: Surge o Google Place Pages, que reunia todas as informações possíveis sobre um local no mesmo lugar, como dados de contato, endereço, fotos e demais informações interessantes.
  • 2010: Com a adição do Hotpot, as empresas passaram a ser recomendadas. Assim, os usuários começaram a ser auxiliados na hora de decidir por um local, através de opiniões de terceiros.
  • 2014: Enfim, nasce o Google My Business, que foi capaz de reunir em uma só ferramenta todas as qualidades já criadas, oferecendo um serviço completo ao usuário.

O que é o Google Meu Negócio?

Como vimos acima, o Google Meu Negócio oferece a um negócio local todas as funcionalidades que foram surgindo ao longo dos anos para auxiliar esta empresa a ter sua presença digital. O serviço é gratuito e já ocupa parte considerável das estratégias de Marketing Digital. Se você estiver em dúvida sobre como começar a planejar, dá uma olhada nesse post onde falamos sobre planejamento de marketing em 4 etapas.

Ao se estabelecer em um endereço físico, qualquer empresa ou pequeno negócio pode ter seu perfil no Google Meu Negócio. Este perfil nada mais é que uma ficha de apresentação do seu negócio. Eventualmente, os proprietários de negócios locais nem sabem se sua empresa tem um perfil no GMN. Acreditem, acontece!

Como o serviço visa 100% à melhor experiência do usuário, o próprio mecanismo do Google identifica que uma empresa existe naquele endereço, e cria o perfil automaticamente. Aquele perfil pode ser atualizado com informações válidas e fotos enviadas por usuários que estiveram no local ou que efetivamente estão o buscando no Google. Colaborativo total!

Quem pode ter?

Se você é proprietário de um estabelecimento físico, um negócio local ou tem uma empresa que atende no local do cliente, você não só pode, como deve ter um perfil no Google Meu Negócio!

Quem não pode ter?

O Google Meu Negócio é voltado para endereços, portanto não atende profissionais ou empresas que são estritamente digitais.

Como funciona o Google Meu Negócio

Ao fazer uma busca no Google, o usuário utilizará algumas palavras-chave que serão usadas pelo algoritmo para determinar alguma referência comercial relacionada. Com a pesquisa efetuada, o próprio Google mostrará a ficha do local mais relevante.

Exemplo de busca direta no Google
Exemplo de busca direta por uma empresa específica.

Além da ficha (que aparece como destaque), seu perfil também pode aparecer na lista de locais do Google Maps e, claro, se ele for relevante e estiver bem relacionado aos termos da pesquisa certamente estará bem colocado.

Busca por interesse no Google
Exemplo de busca segmentada por interesse.

Mas, não pense que criar o perfil já basta para aparecer nas buscas. Nem sempre os termos pesquisados batem com o que seu perfil oferece. Portanto, confira algumas dicas para melhorar seu ranqueamento.

Critérios de busca

Para determinar quais perfis aparecem em primeiro nas pesquisas, o Google avalia três pontos fundamentais:

  • Relevância: considera o match perfeito entre um negócio local e a pesquisa do usuário. Trata-se de um retorno personalizado, baseado em buscas, histórico de pesquisa e localização do usuário.
  • Localização: considera a relação de distância entre perfil, a palavra-chave e o usuário. A não ser que na busca esteja bem clara alguma indicação de local (exemplo: “churrascarias em Sapucaia do Sul”), o Google utiliza dados de navegação, segundo históricos e informações do GPS.
  • Proeminência: considera a popularidade do negócio. Isto é: avaliações, média de classificação, comentários, cliques e tráfego na ficha. São vários componentes que incluem a reputação, o alcance e até mesmo seu site oficial, caso tenha.

Informações necessárias

Ao aparecer nas buscas dos usuários, um perfil do Google Meu Negócio oferece algumas informações imprescindíveis, outras importantes e outros detalhes que podem se tornar diferenciais.

Página Inicial

Estas são as primeiras informações que aparecem na sua ficha. Elas aparecerão na tela de busca, para todos usuários visualizarem.

  • Fotos: mostra a foto de capa, a imagem do Street View e o visual reduzido do mapa
  • Nome comercial: não invente novidades, este é o campo que contém o nome oficial do seu negócio
  • Botões clicáveis: são três botões que geram tráfego para seu site, inicia uma rota para chegar até seu endereço ou salva seu perfil
  • Endereço completo: indispensável, o endereço do seu negócio é a principal informação
  • Horário: não erre no seu horário de funcionamento, ele será peça chave nas buscas do Google Maps. Uma loja fechada perderá lugares nas buscas
  • Telefone: mais uma ferramenta diferencial de CTA, o seu contato deve ser explorado para interagir com seus clientes

Diferenciais

Elimine obstáculos no momento de decisão do seu cliente com as seguintes informações, que também aparecerão na página inicial da tela de buscas.

  • Perguntas e respostas: Tire as dúvidas de seu potencial cliente antes mesmo dele questionar
  • O que há na loja: Se você oferece produtos específicos, eles poderão aparecer no seu perfil em forma de catálogo
  • Comentários: considere o que outras pessoas, clientes ou não, estão comentando sobre a sua empresa
  • Sobre: Descrição completa da empresa

Conteúdo

Ao acessar o perfil de uma empresa no Google Meu Negócio, o usuário terá mais acesso a outras funcionalidades.

  • Imagem: nesta seção, pode-se adicionar logotipo, foto de capa, fotos do local (separadas por ‘interior’ e ‘exterior’), 360º, vídeos e ainda centralizar as fotos enviadas por clientes
  • Horários de pico: gráfico criado automaticamente pelo Google, mostra a hora que mais registra visitantes à sua loja
  • Ampliado: todas informações contidas na página inicial, aqui são ampliadas, mostrando todas avaliações e comentários, o mapa completo, entre outras opções específicas

Como melhor explorar o Google Meu Negócio

Assim como acontece em conteúdos de websites, artigos de blogs, entre outros, é fundamental se ater às técnicas de SEO (Search Engine Optimization) para obter melhor ranqueamento nas buscas da plataforma. Neste caso, palavras-chave são o foco principal, com muitas informações relacionadas ao seu negócio.

Mas somente isso não basta. Tenha em mente que você precisa tratar seu perfil como se o usuário estivesse o visualizando ao cruzar uma rua. Ao passar pela sua vitrine, além de chamar sua atenção, você deve indicar as principais informações do seu negócio.

Dados completos

Como mencionei antes, o Google mostrará primeiro aqueles perfis que são mais relevantes para cada pesquisa. Por isso, sempre confira se todos seus dados estão corretos e verifique se, de fato, foram inseridas todas informações relevantes para seu cliente. Dentre os principais dados estão endereço físico, número de telefone, categoria e atributos.

Confirme seus locais

Já dissemos que eventualmente alguns proprietários de empresas nem sabem que têm perfil no Google Meu Negócio. Portanto, confira se seu estabelecimento está lá para que ele apareça nas ocorrências de pesquisas no Maps e no Google.

Se seu perfil de empresa já existe, você poderá reivindicar esta propriedade. Se não, é bem simples criar o seu, tanto pelo Google Meu Negócio quanto através do Google Maps.

Horário de funcionamento

Parece uma dica banal. Mas saiba que esta é uma das principais reclamações dos usuários que buscam informações no Google Meu Negócios. Muitas empresas mantém horários desatualizados, ou mesmo esquecem de informar corretamente qual período do dia há atendimento.

Também é permitido informar previamente as informações referentes a atendimentos em datas especiais, como feriados, eventos específicos e inclusive restrições durante o período de pandemia.

Atenção às avaliações e interações

A interação com seus potenciais clientes é fundamental e uma prática incentivada por nós para que você explore tudo que o Google Meu Negócio pode oferecer. Nesse sentido, é imprescindível dedicar atenção às avaliações, mesmo – e principalmente, em alguns momentos – as negativas.

Além disso, o Google Meu Negócio permite que você faça postagens de imagens, vídeos, promoções de produtos, entre outras funções. Avalie a reação dos usuários e interaja para demonstrar que está ali para atendê-lo.

Fotos e vídeos

Este é um diferencial. Já sabemos que boas imagens chamam atenção dos clientes. Nesse caso, elas são a apresentação do seu negócio para um potencial cliente. Portanto, abuse na criatividade e na qualidade das fotos e vídeos, para impactar logo de cara e trazer o usuário para o seu perfil. Uma das métricas de sucesso do GMN é justamente o quanto suas fotos são visualizadas e o comparativo com outras empresas de mesmos segmentos de atuação.

GMN: explore as fotos
Exemplo de empresa que explora muito bem suas fotos, em comparação com outras do mesmo segmento.

Insights

A deixa do item aí de cima foi perfeita. O Insights é a seção do Google Meu Negócio que te dá TODAS informações relevantes do desempenho do seu negócio, em tempo real, durante o período que você quiser.

Insights do GMN

Nos insights, você terá acesso a quais palavras-chave mais encontraram seu negócio nas buscas, de que forma os clientes chegaram até o seu perfil, onde eles veem sua empresa (Maps ou pesquisa) e as ações executadas, views de fotos, chamadas telefônicas (separadas por dias e horários) e horários de maior movimento.

Ads pelo Google Meu Negócio

Caso os insights te tragam resultados de desempenho que não te permitem seguir crescendo de forma orgânica, considere as opções de anúncios. Diferente da complexidade da plataforma de anúncios Google Ads, os recursos do Google Meu Negócio te permitem criar campanhas de tráfego pago em poucos passos e de forma simplificada.


RESUMO
  • Se você tem um negócio local ou estabelecimento com endereço fixo, você DEVE ter um perfil no Google Meu Negócio;
  • Após 10 anos de validações, erros e acertos, o Google Meu Negócio entrou no mercado em 2014;
  • Negócios digitais não têm possibilidade de ter perfil no Google Meu Negócio;
  • Com um perfil no Google Meu Negócio, você potencializa seu alcance nos mecanismos de pesquisa, amplia presença digital e facilita sua relação com potenciais clientes;

Gostou do nosso conteúdo? Se você acha que isso tudo faz sentido para o seu negócio e quer saber um pouco mais sobre como colocar em prática, estamos aqui! Feedbacks são ótimos e a gente adoraria colaborar ainda mais com você. Escreva para o Fernando Potrick, nosso head de conteúdo: potrick@gama.etc.br.

GATILHOS MENTAIS: VOCÊ SE COMUNICA COM O CÉREBRO DO SEU CONSUMIDOR?

Se você ainda não explora a técnica de gatilhos mentais, está perdendo uma excelente oportunidade para gerar muito mais negócios com pequenos ajustes no formato da sua comunicação. Nesse post te mostraremos o Top 6 dos Gatilhos Mentais e você vai aprender a conduzir a tomada de decisão do seu potencial consumidor!

Diariamente, nós tomamos quase 35 mil decisões (!!!), que iniciam quando acordamos e escolhemos entre colocar chinelo ou pantufa e seguem desde a definição de roupa para usar para o trabalho, se vamos almoçar em casa ou em um restaurante, até a escolha por lermos um livro ou artigos de blog, como este.

Além disso, existem as escolhas negativas, que estão diretamente relacionadas ao que não queremos fazer durante o dia. O oposto aos exemplos acima.

Todas as nossas decisões consideram uma série de aspectos pessoais, internos e externos, que estão relacionados ao nosso humor, cultura, gostos, expectativas e tantos outros, que nos despertam uma ação rápida entre fazer A ou B. É por isso que uma estratégia de comunicação precisa de Planejamento de Marketing (saiba como fazer o seu em 4 etapas AQUI), pois explorar estes critérios no envio de uma mensagem para o consumidor faz toda a diferença na sua tomada de decisão. E para qualificar muito o seu processo de comunicação, você precisa utilizar os Gatilhos Mentais.

O que são os Gatilhos Mentais?

Gatilhos Mentais são estímulos que o nosso cérebro recebe e influenciam diretamente a nossa tomada de decisão. Com tantas ofertas e opções de escolha, funcionamos em “piloto automático” para evitarmos o esgotamento. Estimular de forma estratégica estes gatilhos é uma poderosa arma de persuasão. Aqui explicamos cada um do que consideramos os 6 principais gatilhos de sucesso utilizados no mercado.

TOP 6 GATILHOS MENTAIS
Top 6 gatilhos mentais.

Reciprocidade

Esse princípio propõe que o ser humano apresenta a tendência natural de responder uma ação positiva com outra ação positiva. É o que chamamos de “gentileza gera gentileza”.

Esta técnica é muito utilizada por plataformas que conectam empresas e pessoas, como iFood, Spotify, Uber e tantos outros. No exemplo a seguir, podemos identificar uma oferta de ganho para o usuário do Ifood (que sou eu mesmo ali no exemplo 😄) caso ele convide seus amigos para o uso.

Gatilho Mental reciprocidade: exemplo iFood

Aprovação Social

O gatilho da aprovação social indica que somos influenciados por terceiros em nossas decisões e, naturalmente, quanto mais pessoas optam por algo, mais as outras são levadas a tomar a atitude igual. A popularidade está muito presente aqui.

Isso ocorre quando acessamos sites que contam com depoimentos de clientes satisfeitos. Independentemente da sua área de atuação, o seu consumidor vai se sentir muito mais confortável ao visualizar que outras pessoas confiam no seu trabalho.

Gatilho mental: aprovação social
Seção do site da Empiricus, com depoimentos reais.

Afinidade

Ou Afeição, é o gatilho que afirma que as pessoas tendem a se conectar psicologicamente com quem acham que são parecidos. O motivo pode ser variado, desde medos e angústias até habilidades e características. A comparação é muito comum aqui.

Perfis em redes sociais, principalmente o Instagram, são exemplos claros do uso constante da técnica. A atuação por nicho permite que você se comunique de forma muito próxima com quem passa pelo mesmo problema que você, e é ai que o perfil Mamãe Sarada surge como grande exemplo. Com chamadas impactantes como “RECUPERE O CORPO DE ANTES DA GRAVIDEZ EM 60 DIAS” ele se conectar diretamente com as mamães que o seguem.

Gatilho mental afinidade, com exemplo do perfil @mamaesarada
Perfil @mamaesarada no Instagram.

Autoridade

Este gatilho sugere que o ser humano tende a obedecer ou seguir quem ele julga como superior, por uma questão de respeito. E esta superioridade, neste caso, está relacionada a uma hierarquia profissional (experiência).

Pessoas que atingem um grande status profissional e são utilizadas como referência no seu mercado, podem explorar sua imagem para alavancar suas ofertas comerciais. É o que o Marcelo Tas oferece aqui:

Compromisso

Ou Coerência, indica que, ao se comprometer publicamente com algo, a pessoa se sente pressionada psicologicamente a se comportar de forma alinhada à missão que foi assumida.

“Além da aceitação social, a coerência serve também como atalho para o cérebro”

Robert Cialdini, no livro Armas da Persuasão.

Você se lembra da campanha da Activia aqui no Brasil? Ela se comprometia a devolver o dinheiro da compra dos produtos caso estes não alcançassem o resultado esperado. Dá só uma olhada:

https://youtu.be/ovZaaEMEa-E

Escassez

Este gatilho é rapidamente acionado quando estamos em posição de perder algo. Com isso, nosso cérebro reage de forma emocional e tenta evitar essa sensação, garantindo que aquilo será seu antes que acabe.

No mercado do turismo colecionamos casos. Se você está procurando uma passagem aérea, constantemente irá receber um aviso na tela de navegação informando que “este é o último acento”, ou então quando procura um quarto de hotel recebe a informação de que “muitas pessoas estão procurando, resta apenas 1 quarto como este”.

Gatilho mental escassez

Os gatilhos mentais, na prática

Para você compreender como estes gatilhos podem ser explorados, na prática, acesse a nossa série especial Gatilhos Mentais no Instagram:

IGTV Gama | Série Gatilhos Mentais


RESUMO
  • Não perca tempo e aumente as suas vendas com simples ajustes na sua comunicação;
  • Se as pessoas tomam mais de 35 mil decisões por dia, você deve ser um escolhido;
  • Com o público bem definido, a sua mensagem irá ativar parte do cérebro do seu cliente;
  • Listamos os 6 principais gatilhos mentais, escolha o(s) seu(s)!

Gostou do nosso conteúdo? Se você acha que isso tudo faz sentido para o seu negócio e quer saber um pouco mais sobre como colocar em prática, estamos aqui! Feedbacks são ótimos e a gente adoraria colaborar ainda mais com você. Escreva para o Fernando Potrick, nosso head de conteúdo: potrick@gama.etc.br.