Os erros mais comuns dos iniciantes em marketing de conteúdo

pensando e escrevendo

Se você está começando a migrar seu negócio para o digital, é muito comum não ter todo o conhecimento existente sobre estratégias, técnicas e tendências do marketing digital. Dessa maneira, cometer os erros mais comuns dos iniciantes em marketing de conteúdo é algo totalmente normal.

Tendo em vista a dificuldade dos novos empreendedores no que diz respeito à utilização do marketing de conteúdo para suas empresas, separamos alguns erros que, embora comuns, precisam ser corrigidos para que sua empresa atinja os resultados esperados.

Confira abaixo os 6 erros mais comuns dos iniciantes em marketing de conteúdo:

1° erro mais comum dos iniciantes em marketing de conteúdo: Não definir suas Personas

O marketing de conteúdo, é, sobretudo, uma forma de gerar conteúdo de valor para um determinado público. Contudo, como você poderá saber se o conteúdo que produz é relevante sem conhecer o público ideal de sua empresa?  

É importante fazer um estudo de como se comporta e quais são os interesses do seu público-alvo, e dessa forma, montar uma persona – a representação semifictícia do seu cliente ideal.

Para criar a persona defina os seguintes tópicos:

  • Qual a sua profissão?
  • Qual a sua idade?
  • Que tipo de conteúdo consome na internet?
  • Quais são suas dores?
  • Quais as maiores dúvidas em relação ao seu produto ou serviço?
  • Como sua empresa pode ajudar essa persona?

Com base nessas características, crie sua persona. Ela é quem determinará as estratégias de marketing de conteúdo usadas por sua empresa.

Ter uma (ou mais) personas para sua empresa é essencial para definir como o seu estilo de conteúdo será estruturado, afinal, se o seu objetivo é prender a atenção do público-alvo, você deve se comunicar como ele.

2. Não ter um cronograma de conteúdos

Manter uma estratégia de marketing de conteúdo efetiva exige planejamento prévio.

As pautas para blog e redes sociais precisam estar de acordo com cada fase do funil de vendas e além disso, desenvolver os conteúdos com qualidade levam um certo tempo.

Sendo assim, não ter um calendário mensal com todos os conteúdos produzidos para cada canal de comunicação é um erro gravíssimo, pois é a partir dele que você irá definir um tema específico para cada momento da jornada de compra do cliente.

Portanto, todo mês crie um calendário com o tema do conteúdo, fase do funil, palavra-chave, data e onde será postado. Assim, sua equipe terá como planejar tempo para produção e o conteúdo ficará melhor segmentado.

3. Não Monitorar Palavras-Chave

Tanto para o marketing de conteúdo quanto para o tráfego pago, as palavras-chave são essenciais para alcançar o seu público-alvo. Através delas seus conteúdos os mecanismos de busca encontrarão seus conteúdos.

Se sua empresa não faz uma pesquisa de palavras-chave, esse pode ser o motivo pelo qual as estratégias não estão surtindo efeito.

Boas ferramentas de pesquisa de palavras-chave são: Google Trends, SemRush e Ubersuggest.

Outra estratégia é sempre monitorar as principais palavras-chave que seus concorrentes utilizam. No caso das redes sociais, sempre observe as hashtags mais recorrentes nos posts.

4. Não postar frequentemente

Uma das maiores armas para ter sucesso com conteúdo na internet é a consistência. Em qualquer rede, YouTube, Instagram ou Facebook, a consistência faz os algoritmos alavancarem o seu conteúdo e trazer relevância. Sendo assim, no seu site ou blog não poderia ser diferente – marketing de conteúdo exige frequência de postagens.

Portanto, mantenha a consistência em dia, pois dessa forma sua empresa terá mais chances de ser vista e atrair um futuro cliente.

O recomendável é produzir, no mínimo, duas postagens semanais de pelo menos 600 caracteres.

5. Produzir conteúdos pouco relevantes

Aqui entra um ponto muito importante: a autenticidade. Ser autêntico nos seus conteúdos é criar algo unicamente da sua empresa, é criar conteúdo que as pessoas vejam originalidade.

Ou seja: Não adianta criar só por criar. Se você encarar esse papel só como obrigação, quem perde é a sua empresa.

Então, se você está realmente disposto e acredita no diferencial do seu negócio, mostre isso para o seu futuro cliente. Seu conteúdo precisa ser autêntico e, principalmente, precisa solucionar dúvidas, ser informativo e eficaz.

6. Não Investir em novos formatos e canais

Este erro é muito comum, já que é natural permanecermos na nossa zona de conforto. Mas, você não deve se prender apenas aos tradicionais artigos de blogs ou e-books.

Temos diversas outras plataformas de conteúdo disponíveis, como o YouTube, TikTok, Instagram, Twitter. Cada um deles tem sua própria linguagem e cabe a você identificar qual se encaixa mais na sua proposta. O TikTok, por exemplo, já tomou espaço com seus vídeos curtos e bem humorados.

E não para por aí: há também os podcasts, que se tornaram tendência atualmente. Muitas pessoas consomem esse formato de conteúdo e pode ter certeza que gente para te ouvir não falta.

Bônus: erro mais comum dos iniciantes em marketing de conteúdo

Não caprichar nos conteúdos porque “dá muito trabalho”! Sim, criar conteúdo dá trabalho. Mas enquanto você não ousar e continuar produzindo materiais sem profundidade, a concorrência irá ultrapassar seu negócio. Por isso, é muito importante dedicar um certo tempo para produzir e planejar conteúdos originais que ficarão na mente do possível cliente. Existem profissionais e agências especializadas em produção de conteúdo, planejamento e criação de calendários editoriais, como a Gama.


Fazendo parceria com uma agência, você terá mais tempo para focar na prospecção e não sofrerá mais o risco de cometer os erros mais comuns dos iniciantes em marketing de conteúdo!

Como montar um planejamento para redes sociais

planejamento do dia

Nos últimos anos, as redes sociais tornaram-se o instrumento principal nas estratégias de marketing digital. Se antigamente eram usadas apenas com a finalidade de entretenimento, hoje em dia elas são a principal fonte de vendas de muitos pequenos negócios. Desse modo, saber montar um planejamento para redes sociais é essencial para quem possui um empreendimento.

Entretanto, muitos empreendedores ainda acreditam que não vale a pena investir em um planejamento para redes sociais porque não trazem retorno. Mas acontece que é justamente o uso desorganizado desses canais o real motivo pelo qual algumas empresas não obtêm sucesso no digital.

Por isso, vamos te mostrar como você pode montar um planejamento para redes sociais que fará sua empresa sair na frente com conteúdos relevantes e que geram resultados:

Primeiro passo de como montar um planejamento para redes sociais: definir os 4 pilares da comunicação

Para montar um planejamento para redes sociais, você precisa, antes de mais nada, ter uma estratégia de marketing bem definida. Afinal, as duas coisas estão diretamente ligadas.

Todo empreendimento tem como principal objetivo resolver as dores do cliente. E para que o cliente entenda os problemas que seu negócio pode solucionar, vai depender da forma como você comunica isso, através do marketing.

Ou seja, para montar um planejamento de redes sociais eficiente, sua estratégia de marketing primeiro deve ser pautada nos seguintes pilares: Posicionamento, Público, Objetivos e Recursos.

Entenda cada uma dessas 4 etapas:

Posicionamento

O posicionamento é como você deseja que a sua marca seja lembrada pelo consumidor. Por exemplo: se você deseja que sua hamburgueria seja conhecida como a melhor da cidade, isso deve ser ressaltado em todos os canais de comunicação.

Não sabe qual é o posicionamento de sua empresa? É possível criar um através destas 5 perguntas:

O que?Produtos e/ou serviços?
Como?De que maneira você conecta a sua solução com o seu consumidor?
Para quem?Qual o perfil do seu consumidor ideal?
Quando?Com que frequência estas vendas são feitas?
Onde?Você possui um endereço físico ou é digital?

Público

Nas redes sociais o objetivo é conectar-se com o seu público a fim de gerar confiança. E para isso, você precisa saber quem ele é.

O processo para conhecer o perfil dos clientes é dividido em duas categorias: público-alvo e persona.

O Público-alvo é um grupo de consumidores que possuem características em comum. Você descobre informações sobre gênero, idade, classe social, hábitos de consumo, entre outros, através de pesquisas e ferramentas de análise nas redes sociais.

Já a persona é um personagem feito para representar esse público-alvo. Sua empresa inclusive pode ter mais de uma persona. Essa técnica é muito útil para que você saiba exatamente a maneira correta de se comunicar com o cliente e adaptar os conteúdos de suas redes sociais de acordo com as preferências da persona.

Objetivos

Quais resultados exatamente sua empresa precisa atingir? Todos os setores de seu negócio estão seguindo a mesma direção com o propósito de alcançar esse objetivo?

Pode parecer complicado estabelecer um objetivo e alinhar as estratégias para um resultado em comum, mas com a técnica SMART o processo fica mais simples:

  • Specific (Específico): Você deve ser específico na hora de definir um objetivo, quanto mais detalhado, melhor.
  • Measurable (Mensurável): Além disso, ele deve ser mensurável, pois de nada adianta eu buscar qualquer coisa.
  • Attainnable (Atingível): E para que eu me mantenha motivado, esta ação deve estar dentro de uma possibilidade real.
  • Realistic (Realista): Não posso considerar uma revolução completa, e sim um bom avanço a partir de uma situação conhecida.
  • Time-bound (Temporal): Tudo isso deve respeitar um prazo, e um prazo não muito longo.

Avaliando esses critérios, você adequa sua estratégia de vendas com a estratégia de marketing e, posteriormente, o planejamento para redes sociais.

Recursos

Para colocar o planejamento em prática, ele precisa ser realista. Afinal, não adianta querer aplicar uma estratégia utilizada por empresas milionárias, se a sua não tem os recursos necessários para isso.

Então, sempre leve em consideração o tempo, a equipe e as finanças do seu negócio antes de criar um planejamento de marketing.

Montando o planejamento para redes sociais

Agora que você já tem um planejamento de marketing bem definido, já conhece seu público-alvo e, além disso, sabe quais objetivos deseja alcançar é hora de finalmente montar um planejamento para redes sociais:

Tenha um objetivo de comunicação nas redes sociais

Conhecendo sua persona, você precisa comunicar-se de acordo com as preferências dela.

Dessa forma, o foco das suas redes sociais deve se basear no que seu público gosta de consumir e com isso você pode atingir os objetivos que pretende, como engajamento, adquirir uma base de leads para venda, prestar suporte, tráfego para o site, etc.

Veja exemplos das redes sociais de algumas empresas:

Exemplo de postagem do Nubank.

O Nubank tem como estratégia postar conteúdos descontraídos ou informativos com o objetivo de gerar identificação com seu público-alvo e fidelizá-lo, nunca vendendo seu serviço diretamente.

Lojas Americanas tem uma abordagem de varejo.

Já o foco das Lojas Americanas, por ser uma empresa do varejo, é apenas apresentar as ofertas dos produtos a fim de redirecionar os possíveis clientes para o site ou app da loja.

Estilo divulgação + interação do Hotmart.

A Hotmart, plataforma de cursos online, constantemente promove eventos sobre marketing digital e produção de cursos online. Por isso, seu conteúdo nas redes sociais é voltado para a divulgação desses eventos que, quando a pessoa interessada se inscreve, concede seu endereço de e-mail. Assim, a Hotmart adquire uma base de leads.

Defina os canais utilizados no planejamento para redes sociais

Novamente, aqui a sua persona certamente também será um dos fatores principais a serem considerados.

Cada rede social possui recursos, formatos e linguagens diferentes entre si e por isso cumprem diferentes objetivos no seu planejamento. Alinhando suas metas ao perfil do seu público, você consegue definir quais são as redes sociais mais adequadas ao seu tipo de negócio.

Por exemplo: se você possui uma hamburgueria e deseja atrair mais clientes através das redes sociais, não faria muito sentido abrir uma conta no LinkedIn, que tem como foco gerar conexões e relações profissionais.

Agora, se a sua empresa é do segmento B2B, o LinkedIn é a rede social mais indicada para montar um planejamento de conteúdo.

Tenha um calendário editorial

O calendário editorial é uma programação dos tipos de conteúdos que serão postados em cada rede social.

Para montá-lo você precisa:

  • Definir a rede social
  • Definir os dias da semana em que terão posts
  • Estabelecer o horário dos posts
  • Escolher o tipo de conteúdo

Todas as redes sociais exigem uma determinada frequência de posts para não perder o engajamento dos seguidores. Desse modo, é bom sempre fazer testes com o seu público para ver quais os horários e dias geram mais interação.

Analise os resultados e faça uma gestão dos conteúdos

Mesmo que você tenha feito o calendário editorial, talvez a demanda de conteúdos seja muito para que uma pessoa poste manualmente nas redes sociais.

Desse modo, existem várias plataformas de agendamento de posts, onde é possível definir a data, o horário, descrições, imagens e vídeos do post e ele será adicionado automaticamente à sua conta.

O Mlabs e o próprio Estúdio de Criação do Facebook apresentam essa funcionalidade.

Essas plataformas geralmente apresentam também as métricas das suas redes sociais, definindo os melhores dias e horários, quais posts tiveram bons e péssimos resultados bem como o tipo de conteúdo que gera mais engajamento do seu público.

Monitorar esses dados são essenciais para montar um planejamento de redes sociais, pois através deles você saberá o que está dando certo ou não em sua estratégia.

Reutilize conteúdos que já possui na hora de montar um planejamento para redes sociais

Hoje em dia muitas empresas utilizam no marketing digital a estratégia chamada derivação de conteúdo, que é, basicamente, reaproveitar conteúdos que você já produziu.

Sua empresa fez uma live com um conteúdo relevante e que pode converter? Corte os trechos principais dela, edite e poste novamente como pequenos vídeos de IGTV, Facebook ou até mesmo TikTok.

Antes de traçar o planejamento para redes sociais, a página de sua empresa teve posts que geraram um bom engajamento? Refaça a arte, edite novamente o vídeo, poste a mesma legenda ou inspire-se nesses posts para criar novos. Se deu certo na primeira vez, provavelmente o sucesso se repetirá.

Montar um planejamento para redes sociais de uma empresa demanda muito estudo, tempo e conhecimento em estratégia. E por isso você pode realizar esse serviço em conjunto com uma Agência de Marketing parceira, como a Gama!

Aprender anúncios ou contratar gestor de tráfego pago?

tráfego pago

Se você é um pequeno empreendedor que está começando a entender os conceitos de marketing digital, certamente já se deparou com o dilema: devo aprender a fazer anúncios ou contratar um gestor de tráfego pago?

Acontece que, de fato, esta não é uma questão simples. Por isso, vamos te explicar todos os pontos que você deve considerar na hora de tomar uma decisão, confira:

Aprender a fazer anúncios X contratar um gestor de tráfego pago

Apesar de ser uma profissão recente e até mesmo desconhecida por muitos empreendedores, o gestor de tráfego é um dos profissionais que estarão em alta pelos próximos anos no mercado de trabalho.

Ou seja, por consequência da migração dos negócios físicos para o meio digital, foi necessário que surgissem pessoas capacitadas para realizarem essa transição de forma eficiente.

Sendo assim, contratando um gestor de tráfego pago, você tem a segurança de um profissional cuidando dos anúncios de sua empresa, aconselhando quais as melhores estratégias seguir e distribuindo seu orçamento da maneira correta.

Por outro lado, é muito importante você empreendedor(a) ter conhecimento sobre o tráfego pago, para que, dessa forma, você saiba como orientar, explicar os objetivos da sua empresa com os anúncios e entender a função do gestor de tráfego no seu planejamento estratégico.

Por que aprender a fazer anúncios?

Para contratar um gestor de tráfego você precisa, antes de mais nada, ter um objetivo com as suas campanhas.

O gestor precisa saber o que você deseja e só então poderá lhe mostrar o direcionamento mais adequado ao seu objetivo. E como traçar esse objetivo? Conhecendo todas as funcionalidades do gerenciador de anúncios do Facebook, Google Ads e outras plataformas, por exemplo.

Você é o dono de sua marca, portanto, deve ser o mais interessado no sucesso de seus anúncios. Só assim sua campanha terá autoridade e converterá novos clientes.

Portanto, é importante sim aprender a fazer anúncios, pois entendendo como o tráfego funciona você contribuirá para os resultados dos anúncios que foram entregues pelo gestor de tráfego e não cairá nos mitos sobre anúncios.

Por que contratar um gestor de tráfego pago?

Como você já leu, o gestor de tráfego pago é uma das profissões listadas como as mais requisitadas para os próximos anos.

Esse trabalho é indispensável no marketing digital, pois somente o gestor pode indicar as ações necessárias e efetivas para aumento de vendas e posicionamento adequado da marca quanto aos seus anúncios.

O papel do gestor de tráfego pago dentro de uma empresa é pensar estrategicamente no gerenciamento de campanhas com o intuito de gerar mais vendas, atrair leads, aumentar o engajamento nas redes sociais, etc. 

É ele também quem administra o orçamento destinado aos anúncios. Ou seja, cabe ao gestor de tráfego pago planejar quanto irá gastar em cada plataforma de campanhas, levando em conta todo um estudo de público-alvo, métricas e testes para analisar que tipo de campanha gera mais conversões.

Todo esse estudo é disponibilizado na forma de relatórios periódicos com uma visão geral e detalhada dos resultados.

No marketing digital, se analisa os resultados através da mensuração dos dados.

Se você contratar um gestor de tráfego pago, ele irá adequar as suas estratégias de acordo com o que está ou não gerando resultados.

Importância de um gestor de tráfego pago para as vendas

Por sua visão estratégica, o gestor de tráfego pago está diretamente ligado ao crescimento de vendas. Isso porque com uma análise de dados apurada, ele pode identificar os pontos principais que funcionam dentro das campanhas. 

Quanto mais você conhece seu público, melhor o gestor de tráfego pode segmentar as campanhas. E, consequentemente, maiores as chances de conseguir falar diretamente com ele.

Exemplo: se você possui uma loja de artigos esportivos, e seus clientes têm entre 25 e 30 anos, o gestor saberá como alcançar essas pessoas.

Dessa forma, os anúncios só aparecem para quem realmente tem interesse, promovendo uma melhor identificação com a marca. Ao obter mais engajamento, as redes de sua empresa terão mais credibilidade, e assim, mais vendas. Somente com um bom conhecimento em tráfego é possível fortalecer a imagem da sua marca.

Resumindo: o sucesso nas vendas só é possível no meio digital, quando as estratégias de tráfego pago são pautadas na análise de dados e testes.

Para concluir, o que vale mais a pena? aprender a fazer anúncios ou contratar um gestor de tráfego pago? As duas coisas!

O gestor de tráfego pago garante à sua empresa resultados assertivos, análises de performance e estratégias. Além de uma garantia de que o orçamento será bem distribuído. Já você, aprendendo como criar anúncios, saberá como orientar o gestor a fim de que ele crie campanhas de acordo com o objetivo que deseja. Afinal de contas, conhecimento nunca é exagero!


Gostou do nosso conteúdo? Se você acha que isso tudo faz sentido para o seu negócio e quer saber um pouco mais sobre como colocar em prática, estamos aqui! Adoramos feedbacks e também gostaríamos de colaborar ainda mais com você. Escreva para o Fernando Potrick, nosso head de conteúdo: potrick@gama.etc.br.