POR QUE O BRIEFING NO MARKETING DIGITAL É TÃO IMPORTANTE?

briefing no marketing digital

Talvez você não saiba, mas o briefing no marketing digital é a evolução de um conceito que pode ser aplicado em diversos setores. Para desenvolver um projeto com eficiência, sempre será fundamental ter um bom briefing. Afinal, é nele que vão constar todas as informações importantes como prazos, metas, dados do cliente e instruções de como realizar o trabalho.

Muitas vezes as empresas não dão a atenção devida à criação do briefing para um projeto. Às vezes por falta de tempo ou simplesmente por não saber a importância de centralizar todas as informações num mesmo documento.

Por isso, vamos mostrar porquê você deve começar agora mesmo a fazer briefings para o marketing digital de sua empresa:

O que é briefing?

Briefing significa “instrução” em inglês. Ou seja, é um tipo de documento que organiza todas as informações necessárias para realizar um projeto no marketing digital. Esse projeto pode ser desde uma campanha publicitária até um planejamento de posts para redes sociais.

No briefing deve constar o máximo de detalhes possível, como os objetivos do projeto, identidade visual, público-alvo, história da empresa, resultados a serem atingidos, entre outras questões relevantes.

Em resumo, o briefing é uma espécie de manual de instruções para a execução de um trabalho.

Por que o briefing no marketing digital é importante?

É primordial criar um briefing no marketing digital, e isso se dá por um simples motivo: assim, o projeto será bem executado. Pois ao receber todos os detalhes, a empresa/agência saberá exatamente o que o cliente deseja.

Um erro gravíssimo é deixar o briefing de lado, na intenção de iniciar com mais rapidez o serviço. Essa atitude pode ser um tiro no pé tanto do cliente quanto da empresa. Afinal, um briefing mal executado faz com que o profissional responsável não tenha a orientação necessária para realizar o projeto.

Por exemplo: o cliente deseja que uma campanha de anúncios seja direcionada apenas ao público masculino. Se isso não for explícito no briefing, ele perderá dinheiro, visto que a equipe irá investir em mídia paga direcionada tanto a homens quanto mulheres.

Por isso é extremamente importante criar um briefing detalhado. Além de orientar a equipe na execução de um projeto de qualidade, ele antecipa diversos problemas que podem surgir. Como erros no direcionamento de público-alvo, que exemplificamos acima.

Benefícios do briefing no marketing digital

Um briefing bem elaborado traz inúmeros benefícios para a agência e o cliente. Os primeiros deles:

  • Organizar o fluxo de ideias;
  • Direcionar as tarefas dentro do projeto;

Além disso, quando o cliente dá detalhes sobre um produto ou serviço fica muito mais fácil ter ideias de como elaborar a criação de conteúdo.

Mas, acima de tudo, o briefing serve para garantir que o cliente e a agência estejam falando a “mesma língua”. Ou seja, que estejam de acordo com o que deve ser feito.

Porém, o que exatamente deve constar no briefing para que isso ocorra? Veja a seguir:

O que um briefing no marketing digital precisa ter?

O segredo para um bom briefing é perguntar as coisas certas ao cliente. Isso porque assim ele pode responder de forma clara todos os detalhes importantes do trabalho.

Uma dica é criar um formulário com as seguintes perguntas:

Quem é o cliente?

Peça para o cliente falar sobre a história da empresa, missão, visão e valores, produtos e serviços, concorrentes e quais problemas ele soluciona.

O que o cliente já fez em comunicação?

Pergunte e faça um compilado de todas as ações de marketing que a marca do cliente já desenvolveu. Saiba se ele possui site, redes sociais, identidade visual e principalmente os resultados dessas ações..

Objetivo do projeto?

Procure entender o motivo pelo qual o cliente deseja realizar o serviço de marketing digital e quais resultados ele espera alcançar com este projeto.

Detalhes técnicos do projeto?

Pergunte sobre o público-alvo, mídias utilizadas, orçamento disponível e identidade visual. Verifique também se há algo que o cliente não quer que seja feito.

Quais são os prazos?

Por fim, alinhe com o cliente os prazos do projeto. Além disso, veja se é possível conciliar a expectativa do cliente com a capacidade de produção da agência.

Um briefing bem estruturado reflete diretamente na organização de um projeto.

Ao organizar o documento por segmentação e com detalhes, as equipes de cada área (como criação, planejamento, mídias, etc.) terão em mente o que deverão fazer de forma clara e objetiva, evitando assim retrabalhos  desnecessários e resultados mais assertivos.


Então agora que você entende a importância de um briefing para serviços de marketing digital, certifique-se sempre de criá-lo na hora de realizar seus projetos!

E se o seu objetivo é revolucionar a sua marca no digital, só um belo briefing não irá adiantar. Conte com a Gama para auxiliar a sua marca em um projeto completo de marketing digital!

COMO MONTAR UM PLANEJAMENTO PARA REDES SOCIAIS?

calendário redes sociais

Nos últimos anos, as redes sociais tornaram-se o instrumento principal nas estratégias de marketing digital. Se antigamente eram usadas apenas com a finalidade de entretenimento, hoje em dia elas são a principal fonte de vendas de muitos pequenos negócios. Desse modo, saber montar um planejamento para redes sociais é essencial para quem possui um empreendimento.

Entretanto, muitos empreendedores ainda acreditam que não vale a pena investir em um planejamento para redes sociais porque não trazem retorno. Mas acontece que é justamente o uso desorganizado desses canais o real motivo pelo qual algumas empresas não obtêm sucesso no digital.

Por isso, vamos te mostrar como você pode montar um planejamento para redes sociais que fará sua empresa sair na frente com conteúdos relevantes e que geram resultados:

Primeiro passo de como montar um planejamento para redes sociais: definir os 4 pilares da comunicação

Para montar um planejamento para redes sociais, você precisa, antes de mais nada, ter uma estratégia de marketing bem definida. Afinal, as duas coisas estão diretamente ligadas.

Todo empreendimento tem como principal objetivo resolver as dores do cliente. E para que o cliente entenda os problemas que seu negócio pode solucionar, vai depender da forma como você comunica isso, através do marketing.

Ou seja, para montar um planejamento de redes sociais eficiente, sua estratégia de marketing primeiro deve ser pautada nos seguintes pilares: Posicionamento, Público, Objetivos e Recursos.

Entenda cada uma dessas 4 etapas:

Posicionamento

O posicionamento é como você deseja que a sua marca seja lembrada pelo consumidor. Por exemplo: se você deseja que sua hamburgueria seja conhecida como a melhor da cidade, isso deve ser ressaltado em todos os canais de comunicação.

Não sabe qual é o posicionamento de sua empresa? É possível criar um através destas 5 perguntas:

O que?Produtos e/ou serviços?
Como?De que maneira você conecta a sua solução com o seu consumidor?
Para quem?Qual o perfil do seu consumidor ideal?
Quando?Com que frequência estas vendas são feitas?
Onde?Você possui um endereço físico ou é digital?

Público

Nas redes sociais o objetivo é conectar-se com o seu público a fim de gerar confiança. E para isso, você precisa saber quem ele é.

O processo para conhecer o perfil dos clientes é dividido em duas categorias: público-alvo e persona.

O Público-alvo é um grupo de consumidores que possuem características em comum. Você descobre informações sobre gênero, idade, classe social, hábitos de consumo, entre outros, através de pesquisas e ferramentas de análise nas redes sociais.

Já a persona é um personagem feito para representar esse público-alvo. Sua empresa inclusive pode ter mais de uma persona. Essa técnica é muito útil para que você saiba exatamente a maneira correta de se comunicar com o cliente e adaptar os conteúdos de suas redes sociais de acordo com as preferências da persona.

Objetivos

Quais resultados exatamente sua empresa precisa atingir? Todos os setores de seu negócio estão seguindo a mesma direção com o propósito de alcançar esse objetivo?

Pode parecer complicado estabelecer um objetivo e alinhar as estratégias para um resultado em comum, mas com a técnica SMART o processo fica mais simples:

  • Specific (Específico): Você deve ser específico na hora de definir um objetivo, quanto mais detalhado, melhor.
  • Measurable (Mensurável): Além disso, ele deve ser mensurável, pois de nada adianta eu buscar qualquer coisa.
  • Attainnable (Atingível): E para que eu me mantenha motivado, esta ação deve estar dentro de uma possibilidade real.
  • Realistic (Realista): Não posso considerar uma revolução completa, e sim um bom avanço a partir de uma situação conhecida.
  • Time-bound (Temporal): Tudo isso deve respeitar um prazo, e um prazo não muito longo.

Avaliando esses critérios, você adequa sua estratégia de vendas com a estratégia de marketing e, posteriormente, o planejamento para redes sociais.

Recursos

Para colocar o planejamento em prática, ele precisa ser realista. Afinal, não adianta querer aplicar uma estratégia utilizada por empresas milionárias, se a sua não tem os recursos necessários para isso.

Então, sempre leve em consideração o tempo, a equipe e as finanças do seu negócio antes de criar um planejamento de marketing.

Você pode entender mais sobre planejamento de marketing com este artigo.

Montando o planejamento para redes sociais

Agora que você já tem um planejamento de marketing bem definido, já conhece seu público-alvo e, além disso, sabe quais objetivos deseja alcançar é hora de finalmente montar um planejamento para redes sociais:

Tenha um objetivo de comunicação nas redes sociais

Conhecendo sua persona, você precisa comunicar-se de acordo com as preferências dela.

Dessa forma, o foco das suas redes sociais deve se basear no que seu público gosta de consumir e com isso você pode atingir os objetivos que pretende, como engajamento, adquirir uma base de leads para venda, prestar suporte, tráfego para o site, etc.

Veja exemplos das redes sociais de algumas empresas:

Nubank: exemplo de planejamento para redes sociais
Exemplo de postagem do Nubank.

O Nubank tem como estratégia postar conteúdos descontraídos ou informativos com o objetivo de gerar identificação com seu público-alvo e fidelizá-lo, nunca vendendo seu serviço diretamente.

Lojas Amercianas: postagem focada em varejo
Lojas Americanas tem uma abordagem de varejo.

Já o foco das Lojas Americanas, por ser uma empresa do varejo, é apenas apresentar as ofertas dos produtos a fim de redirecionar os possíveis clientes para o site ou app da loja.

Divulgação + interação nas postagens do Hotmart
Estilo divulgação + interação do Hotmart.

A Hotmart, plataforma de cursos online, constantemente promove eventos sobre marketing digital e produção de cursos online. Por isso, seu conteúdo nas redes sociais é voltado para a divulgação desses eventos que, quando a pessoa interessada se inscreve, concede seu endereço de email. Assim, a Hotmart adquire uma base de leads.

Defina os canais utilizados no planejamento para redes sociais

Novamente, aqui a sua persona certamente também será um dos fatores principais a serem considerados.

Cada rede social possui recursos, formatos e linguagens diferentes entre si e por isso cumprem diferentes objetivos no seu planejamento. Alinhando suas metas ao perfil do seu público, você consegue definir quais são as redes sociais mais adequadas ao seu tipo de negócio.

Por exemplo: se você possui uma hamburgueria e deseja atrair mais clientes através das redes sociais, não faria muito sentido abrir uma conta no LinkedIn, que tem como foco gerar conexões e relações profissionais.

Agora, se a sua empresa é do segmento B2B, o LinkedIn é a rede social mais indicada para montar um planejamento de conteúdo.

Tenha um calendário editorial

O calendário editorial é uma programação dos tipos de conteúdos que serão postados em cada rede social.

Para montá-lo você precisa:

  • Definir a rede social
  • Definir os dias da semana em que terão posts
  • Estabelecer o horário dos posts
  • Escolher o tipo de conteúdo

Todas as redes sociais exigem uma determinada frequência de posts para não perder o engajamento dos seguidores. Desse modo, é bom sempre fazer testes com o seu público para ver quais os horários e dias geram mais interação.

Analise os resultados e faça uma gestão dos conteúdos

Mesmo que você tenha feito o calendário editorial, talvez a demanda de conteúdos seja muito para que uma pessoa poste manualmente nas redes sociais.

Desse modo, existem várias plataformas de agendamento de posts, onde é possível definir a data, o horário, descrições, imagens e vídeos do post e ele será adicionado automaticamente à sua conta.

O Mlabs e o próprio Estúdio de Criação do Facebook apresentam essa funcionalidade.

Essas plataformas geralmente apresentam também as métricas das suas redes sociais, definindo os melhores dias e horários, quais posts tiveram bons e péssimos resultados bem como o tipo de conteúdo que gera mais engajamento do seu público.

Monitorar esses dados são essenciais para montar um planejamento de redes sociais, pois através deles você saberá o que está dando certo ou não em sua estratégia.

Reutilize conteúdos que já possui na hora de montar um planejamento para redes sociais

Hoje em dia muitas empresas utilizam no marketing digital a estratégia chamada derivação de conteúdo, que é, basicamente, reaproveitar conteúdos que você já produziu.

Sua empresa fez uma live com um conteúdo relevante e que pode converter? Corte os trechos principais dela, edite e poste novamente como pequenos vídeos de IGTV, Facebook ou até mesmo TikTok.

Antes de traçar o planejamento para redes sociais, a página de sua empresa teve posts que geraram um bom engajamento? Refaça a arte, edite novamente o vídeo, poste a mesma legenda ou inspire-se nesses posts para criar novos. Se deu certo na primeira vez, provavelmente o sucesso se repetirá.

Montar um planejamento para redes sociais de uma empresa demanda muito estudo, tempo e conhecimento em estratégia. E por isso você pode realizar esse serviço em conjunto com uma Agência de Marketing parceira, como a Gama!

PÚBLICO-ALVO E PERSONA: PARA QUEM VOCÊ VENDE?

Muito além de ter bons produtos e criar boas estratégias de vendas, sua empresa precisa saber para quem vender, aplicando os conceitos de público-alvo e persona. Só assim a sua estratégia de Marketing Digital terá sucesso.

Antigamente, as mercearias e mercadinhos locais literalmente conheciam seus clientes. Ainda hoje, em algumas localidades, isso ainda acontece. São estabelecimentos familiares, que acabam fazendo parte da comunidade e se relacionam com todos no bairro. Isso sem falar no bom e velho fiado, aquela compra anotada no caderninho e paga no final do mês.

Saudosismos à parte, isso não funciona mais no mercado atual. Porém, se você quer fazer bons negócios, crescer como empresa e de fato criar estratégias de marketing digital que vendam, será fundamental resgatar um pouco desse conhecimento dos seus consumidores.

Calma, você não precisa saber o nome de todos eles, mas sim entender quais tipos de pessoas são mais propensas a consumidor seus produtos e/ou serviços. Para colocar isso em prática, existem dois conceitos básicos, que podem ser excludentes sem ser rivais, ou mesmo complementares: público-alvo e persona.

Para quem você vende?

Pense comigo. Você resolve abrir uma loja física de artigos de inverno, que inclui desde roupas e calçados para frio intenso, até produtos voltados para esportes de neve. Você monta uma vitrine incrível, cria uma estrutura com produtos que são referência de mercado e instala sua loja em… Salvador! Qual a chance de dar certo?

Claro que citamos um exemplo extremo, mas é para ficar bem explícito que esse negócio está fadado ao fracasso. Simplesmente porque é óbvio que seus consumidores não são moradores da quentíssima capital baiana!

Então, antes mesmo de montar sua estratégia de marketing digital, saiba para quem você vende, ou para quem você quer vender.

Saber quem é o seu potencial consumidor é uma das principais etapas de um planejamento de marketing. Confira AQUI como montar um planejamento de marketing em 4 etapas.

Público-Alvo

Você já deve ter sido avisado por alguém, possivelmente pais ou avós, de que tentar abraçar o mundo é muito difícil. Ao invés de querer agradar todos e não conseguir agradar ninguém, se esforce para abraçar os poucos e bons, que realmente têm conexão com a sua marca, e crie uma troca importante para todos vocês.

A lógica da comunicação como vetor para geração de novos negócios merece esse mesmo cuidado, e a técnica de Público-Alvo tem exatamente este papel. Essa técnica se refere a um grupo específico de consumidores ou organizações que compartilham um perfil semelhante, e ela surge como o primeiro passo para você organizar as pessoas que devem receber os seus esforços de comunicação.

Através de uma pesquisa você deverá encontrar informações relacionadas ao seu comportamento de compra, hábitos de consumo, classe social, dados demográficos, condição socioeconômica e preferências. Estas informações podem ser encontradas em ferramentas analíticas das redes sociais ou com parceiros de negócio como associações comerciais e sites de organizações públicas.

E se ainda estiver em busca de colher informações iniciais do seu segmento de atuação, temos um post dedicado à ferramenta do Facebook que te auxilia nesse processo:

Por meio dessa técnica, você desenvolve públicos muito bons para trabalhar na sua jornada de comunicação e a indicação é muito válida por inúmeros motivos, mas destacaremos dois:

  1. Suas informações são enriquecidas por todo o pacote de empresas Facebook (como Instagram, WhatsApp entre outros), o que possibilita uma distribuição de mensagens relevantes para inúmeros grupos de pessoas.
  2. Você pode se desenvolver tecnicamente não só nesta plataforma, mas na estrutura de divulgação geral do Facebook com treinamento online gratuito através da plataforma Blueprint.

Processo criativo

Para auxiliar no desenvolvimento de criação, procure nortear suas pesquisas com 3 principais perguntas, mesmo que para chegar nestas respostas você precise detalhar um pouco mais.

  1. Por que as pessoas se beneficiam ao usar seu produto ou serviço?
  2. Quem são estas pessoas?
  3. Existem grupos distintos que podem utilizar o seu produto ou serviço?

Aplicando esta técnica, você vai iniciar um processo de conhecimento de mercado que te levará a um outro nível de atuação. Mas tenha paciência e foco para seguir de maneira detalhada cada esforço. As principais características da técnica de Público-Alvo são: Definição ampla, não fala sobre hábitos pessoais, não se refere a uma pessoa específica e sim a pessoas que podem se interessar pelo seu produto ou serviço. Ela é indicada para qualquer modelo de negócio em qualquer mercado.

Conceito de Público-alvo

Persona

Na técnica de Persona a ideia é segmentar ainda mais essa definição de público. Sendo assim, você deverá nomear e também evoluir muito na descrição da pessoa envolvida. Só que neste caso, a pessoa é o seu consumidor ideal.

Também conhecida como Avatar ou Buyer Persona, esta técnica foca no desenvolvimento de um personagem fictício criado para representar diferentes tipos de usuário a partir de seus comportamentos e atitudes. O processo criativo conta com um embasamento real para a definição de personagens, e tem como foco nos afastar do achismo, embasando todo o esforço de comunicação para a criação de conteúdo para quem este faça muito sentido.

A Persona pode ser definida como um método de segmentação de mercado complementar ao Público-Alvo. Esta técnica permite que você evolua das possibilidades de pessoas que consumiriam a sua solução para a pessoa certa que vai consumir a sua solução. Para criar a Persona, é preciso pesquisar MUITO. Foque em achar resposta para questionamentos como:

  • Quem são os seus clientes?
  • Com o que trabalham?
  • O que fazem durante o dia?
  • Como se informam?
  • Quais são suas maiores necessidades?

Assim, a Persona terá um embasamento completo em dados, não em suposições da equipe ou do profissional de marketing.

Onde se aplica a Persona?

O conceito ficou muito popular com o aumento significativo do Marketing de Conteúdo e o Inbound Marketing (para saber mais sobre estas estratégias de marketing digital, confira AQUI um post completo), e hoje a Persona se caracteriza como passo fundamental para uma estratégia de marketing digital, principalmente por qualificar o refino de mensagens criadas para diferentes consumidores.

Personas diferentes
Você pode criar diferentes Personas, voltadas para diferentes departamentos do seu negócio.

E isto é significativo: você pode criar mais de uma Persona para a sua marca, sempre considerando as suas diferentes ofertas de produtos e serviços. Como principais características, você terá uma definição especifica, detalhes sobre hábitos e profissão, há um personagem específico e a definição de um consumidor ideal.

Comparativo: Público-alvo e Persona

No quadro a seguir, você poderá ter uma ideia visual das diferenças entre as duas técnicas:

PÚBLICO-ALVOPERSONA
Definição amplaDefinição específica
Não fala sobre hábitos pessoaisDetalhes sobre hábitos e profissão
Não se refere a uma pessoa específicaHá um personagem específico
Pessoas que podem se interessarConsumidor ideal

Público-alvo e Persona: Conexão Emocional

As relações entre consumidores e marcas nunca foi tão próxima, criando um valor muito relevante para ambos. O desenvolvimento do marketing em cada uma das eras mostra como o foco central no produto foi mudando de acordo com a evolução da sociedade até chegar no coração do consumidor. E o mercado digital oportunizou uma evolução em escala para todas as marcas, sejam elas novas ou centenárias, no formato de se comunicar e se relacionar.

O consumidor facilmente irá esquecer uma mensagem, uma imagem e até mesmo um produto ou serviço, mas ele jamais irá esquecer uma emoção vivida. E é neste ponto que você deve pensar. Como a sua mensagem pode tocar o coração do consumidor e oportunizar a ele algo realmente novo, marcante e inesquecível?

Público-alvo e persona: defina seu target
Conheça seu público e defina seu TARGET!
Foto: Richard W. Rodriguez/ AP Images


RESUMO
  • Antes de pensar o que você vende, saiba para quem você vende;
  • Conheça seus potenciais consumidores antes de oferecer seus produtos e serviços;
  • Público-alvo se refere a um grupo específico de consumidores ou organizações que compartilham um perfil semelhante;
  • Persona foca num personagem fictício criado para representar diferentes tipos de usuário, a partir de seus comportamentos e atitudes;
  • Explore as ferramentas que te ajudam a identificar Público-alvo e Persona;
  • Estude as técnicas e aplique-as de forma complementar para potencializar suas vendas;

Gostou do nosso conteúdo? Se você acha que isso tudo faz sentido para o seu negócio e quer saber um pouco mais sobre como colocar em prática, estamos aqui! Feedbacks são ótimos e a gente adoraria colaborar ainda mais com você. Escreva para o Fernando Potrick, nosso head de conteúdo: potrick@gama.etc.br.