O QUE É LANDING PAGE E PARA QUÊ SERVE?

landing pages

Em nosso artigo sobre as diferenças entre sites multipage, onepage e landing page, falamos um pouco sobre cada uma dessas modalidades de site. Agora, entenda melhor como funciona uma landing page e o motivo dela ser essencial para qualquer negócio digital que tenha como objetivo conseguir mais leads:

O que é uma landing page?

A landing page é uma página única que o usuário abre através de um link. Ou seja, ela pode ser uma página de um site multipage.

A característica principal desse modelo é que a landing page tem como foco principal a conversão de leads.

A landing page é basicamente uma página de vendas, onde você divulga algo que sua empresa está oferecendo no momento. Por exemplo: se sua empresa desenvolveu um ebook, a landing page serve exclusivamente para explicar sobre o que é o ebook e quais as vantagens de adquiri-lo.

Landing page do escritório Britto & Lemmertz
Criada pela Gama, esta é a Landing Page do escritório Britto & Lemmertz, oferecendo acesso à Nota Técnica que tratará da Lei Complementar 173.

Uma landing page sempre deve ter um formulário para que a pessoa interessada preencha seus dados e consiga adquirir a oferta, a fim de que sua empresa consiga um lead.

Sendo assim, a landing page serve para aproximar os visitantes de uma empresa através de uma promoção, um produto ou serviço.

As principais características de uma landing page são:

  • Página minimalista, sem muitos elementos;
  • Foco em call to action e textos essencialmente criados nas características de copywriting;
  • Composta por título, formulário, descrição e call to action.

Por que criar uma landing page?

Ao contrário das páginas comuns dos websites, as landing pages são criadas para um objetivo em específico. Por essa razão, a estrutura dessa página é focada em despertar a curiosidade e fazer com que o público-alvo tenha interesse no que está sendo ofertado.

Resumindo, as landing pages servem exclusivamente para conversão, portanto, se o objetivo é conseguir mais leads para seu negócio, essa é a estratégia perfeita.

Benefícios de criar uma landing page

Segmentação de leads

Com a landing page é possível saber em qual nível da jornada de compras está um lead. Isso é feito a partir das informações que você exige na hora dele adquirir a oferta.

De acordo com as perguntas que você incluir na landing page, criam-se grupos de pessoas semelhantes. Assim, você pode criar estratégias segmentadas para cada grupo e melhorar a conversão.

Baixo custo em aquisição de leads

Conseguir informações de clientes demanda bastante tempo e, principalmente, dinheiro.

Por isso, com apenas uma landing page você consegue uma boa quantidade de dados de forma orgânica, além de oferecer um conteúdo de valor que demonstrará a autoridade de sua marca.

Tipos de landing page

Página de captura

Essa seria a página de captura básica, na qual uma oferta é anunciada e campos de preenchimento obrigatórios para adquirir dados como nome, email e telefone do lead.

Página de confirmação

Após o possível cliente preencher seus dados, o mais comum é ele ser redirecionado para uma página contendo todas as informações de como adquirir o que foi ofertado: essa é a página de confirmação.

Ela precisa ser o mais simples e esclarecedora possível, para não gerar dúvidas.

Página de vendas

Esta é mais elaborada que a de captura. Ela serve para apresentar um serviço ou produto, então precisa ter diversos elementos que atraiam o lead.

Esse tipo de página contém uma descrição elaborada da oferta, seus benefícios e porquê o lead precisa dela para sanar suas dores, além de call to actions que levem o usuário até a página de compra.

Página de obrigado

A página de obrigado é colocada no final de uma conversão, após o lead ter realizado uma compra ou adquirido um material gratuito.

É de bom tom redirecionar o usuário à página de obrigado pois demonstra simpatia e cordialidade por parte da empresa.

O que uma ferramenta de criação de landing page precisa ter

Hoje em dia existem diversas plataformas para criação de landing pages na internet. Porém, pode ser que nem todas ofereçam as características essenciais para colocar a página no ar. Sendo assim, confira 4 aspectos para considerar antes de contratar uma plataforma de landing pages:

Adequação à LGPD

De acordo com a Serpro, a LGPD, lei que entrou em vigor em agosto de 2020, tem como objetivo criar um cenário de segurança jurídica, com a padronização de normas e práticas para promover a proteção de forma igualitária dentro do país e no mundo, aos dados pessoais de todo cidadão que esteja no Brasil.

Ou seja, é um conjunto de regras relacionadas ao armazenamento, coleta e compartilhamento de dados pessoais.

Visto que o propósito da landing page é obter dados de possíveis clientes, é evidente que ela precisa estar de acordo com as regras da LGPD.

Sendo assim, é obrigatório que a plataforma de criação de landing page tenha campos de proteção de dados.

Responsividade

Por incrível que pareça, muitas empresas ainda se esquecem de criar modelos de landing page que se adaptam aos smartphones, por isso, é preciso ficar atento se a ferramenta oferece a possibilidade de visualização em dispositivos móveis.

Integração com outras ferramentas e sistemas

Para que você possa colocar as estratégias pós-conversão em ação, é preciso analisar e utilizar os dados na prática. Por isso, é muito importante que a plataforma tenha possibilidade de integração com CRM, públicos no Facebook e e-mail marketing.

Elementos visuais de uma landing page

O design da landing page também é muito importante para a conversão, por isso deve sempre prezar pelo UX. Confira algumas dicas de como criar uma página visualmente agradável:

Títulos e subtítulos landing page

Os títulos e subtítulos são úteis para direcionar o usuário às informações que ele precisa saber. É importante que eles sejam chamativos e esclarecedores, para que o lead não perca o interesse.

Cores

A escolha de cores precisa ser feita com muita atenção, pois elas ajudam a comunicar o que você deseja ao usuário. De acordo com a psicologia das cores, o vermelho inspira energia, por exemplo.

Siga a identidade visual da sua empresa, mas saiba como aplicar as cores corretamente, deixando o texto com cores fáceis de ler e que se destacam do fundo.

Imagens

É muito importante colocar imagens do produto ofertado na landing page. Afinal, a maioria das pessoas se interessa por algo ao visualizar o objeto. Contudo, evite colocar imagens em excesso, para não poluir a página.

Descrição

As descrições ajudam o usuário a entender a oferta. Elas precisam ser sucintas, objetivas e convincentes, para que o lead entenda o motivo daquele produto ser necessário a ele. É interessante destacar as partes mais importantes da descrição.

Formulário

O formulário precisa ser muito bem estudado antes de iniciar a criação da página. Quais dados exatamente você precisa saber do cliente? Em quais estratégias você pretende aplicar esses dados? Pense nisso na hora de elaborar as perguntas.

Pedir muitas informações não é recomendável, por isso, coloque somente o que realmente necessita

Depoimentos

Colocar depoimentos de pessoas que tiveram boas experiências com o produto ofertado é ótimo para gerar confiança nos leads, pois demonstra a credibilidade de sua empresa.

Call to Action

As calls to action (CTA’s), ou “chamadas para ação”, são aqueles botôes com frases imperativas como “Baixe seu ebook agora” ou “quero comprar agora”. Elas são essenciais em uma landing page, pois indicam ao usuário como e onde adquirir a oferta.

Se você deseja criar uma página de venda longa, com várias informações, é importante colocar mais de uma CTA. As landing pages são primordiais para a captação de leads no mercado digital. Agora que você já sabe como criá-las, coloque as dicas em prática e consiga mais conversões para seu negócio!


Gostou do nosso conteúdo? Se você acha que isso tudo faz sentido para o seu negócio e quer saber um pouco mais sobre como colocar em prática, estamos aqui! Feedbacks são ótimos e a gente adoraria colaborar ainda mais com você. Escreva para o Fernando Potrick, nosso head de conteúdo: potrick@gama.etc.br.

AS DIFERENÇAS ENTRE SITES MULTIPAGE, ONEPAGE OU LANDING PAGE

Alguns termos, à primeira vista, podem parecer muito técnicos e complexos. Por isso, você que é um empreendedor, pode não ter ideia do que são e quais são as diferenças entre sites multipage, onepage ou landing page.

Contudo, se você deseja investir em um negócio digital, é de extrema importância saber o básico sobre o funcionamento e a construção de sites, visto que existem modelos diferentes que se encaixam em perfis diferentes de público-alvo.

É difícil de se encontrar um site nos mecanismos de busca sem o auxílio das estratégias de marketing digital, por isso é fundamental conhecer os recursos disponíveis para que sua empresa obtenha destaque online.

Dessa forma, conheça agora as diferenças entre sites multipage, onepage ou landing page e veja que o tema é bem mais simples que aparenta.

Multipage, onepage ou landing page: o que são?

Site multipage

Os multipages são os sites mais comuns da internet. É através deles que as pessoas encontram empresas, se informam, bem como consomem conteúdos. Basicamente, os sites multipages são aqueles que possuem várias páginas hospedadas em um único domínio.

site multipage: exemplo Metalúrgica Nunes
Desenvolvido pela Gama, o site da Metalúrgica Nunes está estruturado em diversas páginas, oferecendo navegabilidade por diferentes setores da empresa.

Eles servem para lojas virtuais, páginas institucionais, informativas, entre outros propósitos. Invariavelmente possuem um menu completo que indica o caminho para todas as páginas. À medida que o usuário navega por diferentes seções, o site abre uma nova página.

Site onepage

O site onepage é similar ao multipage, a única diferença é que todas as informações são compactadas em uma única página. Esse modelo de site é como uma espécie de feed, onde as informações da página aparecem conforme o usuário rolar para baixo.

O estilo onepage serve para empresas que não desejam postar um conteúdo muito extenso no site, visto que tudo precisa estar disponível em apenas uma página.

O design é algo primordial nesse tipo de página para prender a atenção do visitante a fim de que queira chegar até o final.

Site onepage: exemplo da Movimentum Treinamento Funcional
Desenvolvido pela Gama, o site da Movimentum, um CT de Treinamento Funcional, é um belo exemplo de criação onepage.

O site da Movimentum Funcional é um exemplo de onepage. Todas informações estão dispostas em uma página, com um menu suspenso que guia o usuário pelas seções.

Landing page

A landing page é uma página única que o usuário abre através de um link. Ou seja, ela pode ser uma página de um site multipage.

Entretanto, a diferença para os demais é que a landing page tem como foco principal a conversão de leads.

Essa página é basicamente uma página de vendas, onde você divulga algo que sua empresa está oferecendo no momento. Por exemplo: se sua empresa desenvolveu um ebook, a landing page serve exclusivamente para explicar sobre o que é o ebook e quais as vantagens de adquiri-lo.

multipage, onepage ou landing page? Exemplo Britto & Lemmertz.
Criada pela Gama, esta é a Landing Page do escritório Britto & Lemmertz, oferecendo acesso à Nota Técnica que tratara da Lei Complementar 173.

Uma landing page sempre deve ter um formulário para que a pessoa interessada preencha seus dados e consiga adquirir a oferta, a fim de que sua empresa consiga um lead.

Sendo assim, a landing page serve para aproximar os visitantes de uma empresa através de uma promoção, um produto ou serviço.

Multipage, Onepage ou Landing page? Qual escolher para minha empresa?

Na maioria das vezes não há uma resposta definitiva em relação ao tipo de página mais indicada para empresas. Entretanto, uma coisa é certa: é bom sempre escolher o modelo de site que combina com as estratégias do seu negócio.

Mas como saber isso? Veja as características de cada modelo de site e descubra qual é o mais indicado para sua empresa:

Características do onepage:

  • Velocidade de carregamento rápida;
  • Conteúdo mais “direto ao ponto”;
  • Adaptável facilmente a todos os dispositivos (computador, smartphone, tablet, etc.);
  • Design moderno.

Escolha uma onepage se você:

  • Quer apresentar um conteúdo mais “enxuto”, ou seja, não possui conteúdos densos;
  • Não pretende investir em estratégias aprofundadas de marketing digital no site;
  • Precisa de uma solução simples.

Características do multipage:

  • Serve para conteúdos frequentes e mais extensos;
  • Institucional ou comercial;
  • Possibilidade de acrescentar várias páginas em um mesmo site.

Escolha o multipage se você:

  • Deseja postar conteúdos extensos;
  • Vai ter publicações frequentes como notícias e artigos;
  • Pretende investir em um marketing digital mais aprofundado.

Características da landing page

  • Página minimalista, sem muitos elementos;
  • Foco em call to action e textos essencialmente criados nas características de copywriting;
  • Composta por título, formulário, descrição e call to action.

Escolha a landing page se você:

  • Precisa divulgar uma oferta pontual;
  • Quer gerar um alto número de conversões;
  • Deseja adquirir uma base de leads.

Sites multipage, onepage ou landing page: conclusão

É de extrema importância conhecer as diferenças entre sites multipage, onepage e landing page, pois cada um atende a necessidades específicas que precisam estar de acordo com seus objetivos.

Fazendo a escolha correta, criando um site bem construído, intuitivo e organizado, ele será facilmente encontrado e, desse modo, vai atrair cada vez mais clientes para sua empresa.


Ainda não tem um site e quer saber se a sua empresa necessita de um? Ou então quer saber qual modelo se encaixa na sua necessidade? Entre em contato com a gente e solicite mais informações: WhatsApp Gama

COPYWRITING: 12 DICAS PARA CRIAR TEXTOS QUE VENDEM

Se você ainda não conhecia, está na hora de descobrir a técnica de copywriting, utilizada na elaboração de textos persuasivos que vendem. Ou ao menos são capazes de convencer o público a tomar a decisão que você quiser.

Se você tem um negócio, seja ele digital ou não, as pessoas precisam saber o que você faz da maneira mais rápida possível. Senão, elas vão embora e partem para o primeiro concorrente que se preocupa em oferecer isso pra ela.

No Brasil, há mais de 230 milhões de smartphones ativos, mais 180 milhões de computadores, tablets e notebooks. Além disso, o país ocupa a sexta colocação no ranking mundial de assinatura de banda larga fixa, com mais de 31 milhões de assinantes. Em relação às redes sociais (falamos disso em nesse post), o brasileiro passa 225 minutos do dia conectado a estas plataformas, tornando o Brasil o segundo país mais “social” do mundo.

Entendeu por que você deve estar conversando com esse público? As redes sociais estão gerando cada vez mais engajamento entre marcas e consumidores, além de serem o principal canal de vendas de alguns negócios. E tem mais uma surpresa (contém ironia!): o Google é o principal meio de buscas!

Sabe por que a gente falou tudo isso? Porque você precisa criar muito conteúdo relevante para seu público-alvo e convertê-los em consumidores. E se há produtos à venda, a melhor opção é focar no copywriting e produzir uma bela copy! Mas como fazer isso?

O que é copywriting?

Copywriting é uma estratégia de produção de conteúdo com o objetivo de guiar a sua audiência para a tomada de decisão do seu interesse. Esta estratégia é amparada por uma forte pesquisa de necessidades do público e análise de performance de textos, com alto potencial de resultados a curto prazo.

Mas, tome cuidado. Tem muitos elementos publicitários, no entanto esses conceitos se distanciaram ao longo dos anos. Até mesmo porque esse conceito é beeem antigo.

Um breve olhar histórico sobre copywriting

  • 1828: o termo copy é introduzido no mercado na comunicação, indicando algo original que deve ser imitado na escrita e na impressão. Aqui o mercado do jornalismo separa informação de publicidade.
  • 1870: como uma evolução natural, agora existe o profissional responsável por produzir textos específicos para anúncios, sendo separado da redação de notícias. Ele é o copywriter.
  • Século XX: o mercado da comunicação se volta para a publicidade, valorizando muito este novo profissional e gerando fortunas para as grandes agências situadas em, principalmente, em Nova York.
  • Século XXI: há uma revolução no mercado da comunicação a partir da sua digitalização, alavancado pelos fenômenos globais de banda larga e redes sociais. É o momento do Marketing Digital.

12 dicas de copywriting para criar sua copy ideal

Além de escrever textos com conteúdo relevante, utilizar-se das técnicas de copywriting exige algumas premissas para se chegar ao texto que atrai, converte e vende. Se esses são os seus objetivos, preste atenção nessas dicas e pare de errar na produção dos seus textos!

1- Conheça seu público-alvo

De nada vai adiantar fazer um texto perfeito e apresentá-lo para um público que não está interessado no conteúdo. Sendo assim, o primeiro passo é conhecer seu público-alvo. Se tiver uma ideia clara disto, aprofunde-se ainda mais e defina a persona do seu cliente. Pense numa pessoa mesmo, idade, sexo, ocupação, interesses, hobbies e outro tipo de informação que seja relevante para entender o comportamento dessas pessoas.

Uma boa alternativa para buscar onde está seu público-alvo e entender seus gostos é explorar o Audience Insights. Falamos bastante sobre isso em outro post:

Assim, será possível produzir um conteúdo direcionado para os seus potenciais consumidores, com estilos, chamadas e situações que se aproxime às deles, aumentando a possibilidade de conversões.

2- Crie títulos atraentes

Pense numa loja com uma vitrine feia. Assim será seu texto com um título pobre. Ou seja, seu público vai procurar pela próxima vitrine. Existem diversas técnicas para criação de headlines perfeitas para cada objetivo. Perguntas, provocações, soluções, estatísticas e chamadas diretas são alguns exemplos de bons títulos que irão chamar a atenção.

Dica técnica: título direto, conciso (em torno de 55 caracteres) e contendo a(s) palavra(s)-chave que você escolheu.

Isso tudo o ajudará não só a chamar atenção de quem acessa seu texto, mas também é um dos elementos mais importantes para estar bem ranqueado nas buscas do Google.

3- Seja direto

Já falamos disso no item acima, mas é importante reforçar que o texto também deve ser objetivo e direto. Principalmente no sentido de chamar a atenção do leitor, é imprescindível usar verbos no imperativo, que despertem o sentimento de pertencimento àquilo e necessidade de executar alguma ação.

Certifique-se de cumprir a promessa de seu título na primeira linha do post, por exemplo. Se o seu leitor clica e não vê o que foi prometido imediatamente, ele sai do seu site.

4- Conte sua história

Uma das melhores estratégias para criar uma forte conexão com o seu público é contando uma bela história. Essa técnica é chamada de storytelling, e cria empatia com o público que passa a vivenciar o que está lendo e se colocar naquela situação.

Quer saber como fazer isso? Com vocês, o cineasta Andrew Stanton:

5- Escreva naturalmente

A pessoalidade na escrita também pode se tornar um grande diferencial. Ao invés de parecer aquele atendente chato de telemarketing tentando vender algo, a escrita natural – em determinadas ocasiões podendo chegar muito próximo ao jeito como você fala – acaba soando como um conselho de amigo.

Seguindo essa dica, você passará a se aproximar do seu leitor, criando uma conexão e facilitando a leitura.

6- Valorize a palavra-chave

As palavras-chave são essenciais para que seus textos sejam exibidos no Google, essa é uma das premissas do SEO. Mais que isso, dê atenção e valorize sempre o assunto principal da sua copy. Durante toda a construção do seu texto você deverá enfatizar sempre o tema do texto.

Pegando esse texto mesmo, aaacho que você já deve ter percebido que a palavra-chave escolhida é copywriting, certo? Então, você vai encontrar esse termo durante toda a construção do meu artigo. Mas tenha cuidado, não exagere e respeite seu leitor 😉

7- Mostre os benefícios

Não há uma regra, mas em boa parte dos casos as pessoas estão em buscas de benefícios diferenciais do produto. Em alguns casos específicos, é bem verdade, as características ou até detalhes técnicos do produto podem fazer diferença.

Landing Page de venda utilizando copywriting
Foco nos benefícios e não em características técnicas. E, nesse caso, um combo benefícios + design + botão com CTA.

Quando você detalha demais o seu produto ou serviço e esquece de mostrar os benefícios, ou até os ganhos que o consumidor terá com esta experiência, você acaba focando em decisões racionais. E o grande diferencial de uma boa copy é atacar o emocional do leitor.

8- Gatilhos Mentais

Já que a deixa foi dada na dica anterior, chegamos a um dos grandes diferenciais do copywriting. Os gatilhos mentais são estímulos que o nosso cérebro recebe, que influenciam diretamente a nossa tomada de decisão. Com tantas ofertas e opções de escolha, funcionamos em “piloto automático” para evitarmos o esgotamento. Estimular de forma estratégica estes gatilhos é uma poderosa arma de persuasão.

Entre os principais gatilhos, destacamos 6: reciprocidade, aprovação social, afinidade, autoridade, compromisso e escassez. E para saber mais sobre esta importante técnica de persuasão, acesse o IGTV da Gama e confira nossa série de vídeos sobre Gatilhos Mentais.

Série do IGTV, sobre Gatilhos Mentais
Bernardo Krebs apresenta os 6 principais Gatilhos Mentais, no IGTV da Gama.

9- Estruture seu texto

O comportamento dos usuários de internet é muito parecido, independente do que buscam e do seu perfil pessoal: multitarefas! Sendo assim, não queremos perder tempo, certo? Porém, para atender a essas demandas é preciso considerar os canais onde esse texto será apresentado. Por isso, quebras de texto com parágrafos curtos, bullet points e diversificação de mídias funcionam muito bem.

Brinde pra vocês, queridos leitores: uma estrutura de texto básica, como guia de redação.

Outro ponto importante é o visual deste conteúdo. Garanta que a experiência do usuário seja positiva, com elementos visuais interessantes, design da página, estrutura atraente, de forma que ele possa se sentir em um ambiente agradável para leitura.

Além disso, é muito importante entender seu público para saber qual será o tamanho do seu texto. Em determinadas situações, a melhor forma de manter o leitor interessado no seu conteúdo é um texto mais curto, mas recheado de informações relevantes. Nada de enrolação.

No entanto, textos mais longos tendem a ser melhor otimizados para buscas no Google. Sendo assim, é preciso haver um equilíbrio, determinado pelo seu objetivo final.

10- Nunca desconsidere a revisão

Que o texto precisa ter qualidade, isso nem precisamos dizer, não é mesmo? Então, nunca desconsidere a revisão. Muito além das técnicas, os erros ortográficos no texto certamente afastarão seu leitor. Reler o seu texto servirá para corrigir erros de digitação, formatação, pontuação, concordância, entre outros.

Dica técnica: não faça a revisão imediatamente após o término da redação. Os olhos ainda estarão “viciados”, então certamente você deixará passar algum errinho. Faça uma pausa, execute outras atividades e depois volte para o seu texto.

11- Crie a CTA perfeita

Chegando quase no final da lista de dicas, nos deparamos com um dos grandes diferenciais da técnica de copywriting. Do inglês Call to Action (chamada para ação), a CTA definirá qual ação o leitor deverá executar ao ser persuadido – ou não, dependerá de você – pela sua copy. É o momento de conversão que você escolheu ao conduzir todo seu texto.

Copywriting: CTA de impacto
Este é um exemplo de CTA mais agressiva, que aparece tanto ao largo da copy quanto neste pop-up.

Essa chamada precisa ser bem clara, estar em total consonância com o restante do texto e ainda estar localizada em um ponto chave do texto: onde o leitor irá concluir sua vontade. Não use botões com palavras soltas, como “comprar”, “baixar” ou “cadastrar”. É importante que seja uma frase persuasiva e direta, que chame seu potencial consumidor, como “fazer download do ebook”, “assinar lista VIP” ou “cadastrar na newsletter”.

12- Crie seu estilo de copywriter

A última dica acaba sendo um compilado de todas as anteriores. Os melhores redatores e copywriters possuem seus próprios estilos de escrita. Levando isso em conta, usuários tendem a simpatizar com formatos de escrita que demonstram pessoalidade, então nada melhor que encontrar textos com uma estrutura amigável. É isto que gerará recorrência nos seus leitores.

Depois dos primeiros textos utilizando as técnicas de copywriting, você começará a construir seu próprio estilo, ou até mais de um estilo de escrita adaptado para cada objetivo.

Copywriting infantil
Mesmo que você já saiba escrever, estude bastante para conseguir aplicar as técnicas de copywriting e produzir textos de “gente grande”.


RESUMO
  • Copywriting é uma estratégia de produção de conteúdo com o objetivo de guiar a sua audiência para a tomada de decisão do seu interesse;
  • Considere fortemente o uso dessa técnica se você precisar criar textos que vendem;
  • O conceito não é novo, mas evolui cada vez mais e migrou da publicidade para o marketing;
  • Textos que vendem são persuasivos, informais e emocionais. Pense nisso;

Confira abaixo um vídeo bem completo sobre copywriting, com a palestra de André Cia, copywriter e estrategista em lançamentos de produtos digitais, no Fire Festival 2019:

Gostou do nosso conteúdo? Se você acha que isso tudo faz sentido para o seu negócio e quer saber um pouco mais sobre como colocar em prática, estamos aqui! Feedbacks são ótimos e a gente adoraria colaborar ainda mais com você. Escreva para o Fernando Potrick, nosso head de conteúdo: potrick@gama.etc.br.